PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Prazos

Apenas 14% das empresas pagam a tempo e horas

Apenas 14% das empresas pagam a tempo e horas

As empresas portuguesas demoram, em média, 71 dias a pagar aos seus fornecedores, bem mais do que os 60 dias estabelecidos na lei. Só 14% pagam a tempo e a horas.

Ou, dito ao contrário, quase nove em cada dez (86%) não cumprem os prazos para liquidar as contas. Quanto maior a empresa, menos tempo demora a pagar: 59 dias para as grandes empresas; 74 para as médias; 79 no caso das pequenas e 92 dias nas microempresas.

As construtoras são as piores pagadoras, com prazos médios de 131 dias; na ponta oposta estão as empresas de energia e ambiente, que levam apenas 39 dias a liquidar as faturas.

Estes são dados do estudo "Como compram as empresas em Portugal", da Informa D&B, que pretende ajudar os gestores a identificar novas oportunidades de negócio. No documento, que abarca os públicos e privado, mas não inclui nem a banca nem os seguros, a consultora dá conta que as entidades empresariais sediadas em Portugal compram 255 mil milhões em bens e serviços, valor que corresponde a 77% da sua faturação e a quase 140% do produto interno bruto. E mais de três quartos das compras são feitas no mercado interno. As companhias de maior dimensão são as que mais importam do exterior.

Os bens ocupam a maior fatia das aquisições: 180 mil milhões de euros (70%). Os serviços representam 75 mil milhões (30%).

A maioria das compras entre empresas "não são feitas a pronto pagamento", implicando risco. A Informa D&B estima que haja 50 mil milhões por liquidar. "Para garantir a liquidez e o crescimento das empresas, é crucial a capacidade de avaliar, antecipadamente, o risco comercial das transações, através da seleção criteriosa dos parceiros", aconselha.

A construção, a agricultura e outros recursos naturais são as atividades com prazos de pagamento mais dilatados, de 131 e 114 dias, enquanto setores mais ligados ao consumidor, como o retalho, atividades imobiliárias e o alojamento e restauração "pagam mais cedo aos fornecedores", em 62, 60 e 53 dias, respetivamente.