O Jogo ao Vivo

Economia

Atrasos nos pagamentos às empresas agravam desemprego na Europa

Atrasos nos pagamentos às empresas agravam desemprego na Europa

Os problemas com atrasos nos pagamentos estão a servir de justificação para a dispensa de trabalhadores em muitas empresas europeias, mostram os resultados da 10ª edição do EPI-European Payment Index, divulgados, esta quinta-feira, pela "Intrum Justitia".

Os resultados do inquérito realizado no âmbito do estudo mostram que "55% das 10 mil empresas inquiridas estão a sofrer as consequências dos atrasos de pagamento e 36% acreditam que não têm possibilidade de crescimento e que a sua sobrevivência está a ser ameaçada", informa em comunicado a Intrum Justitia, consultora europeia de serviços de gestão de crédito e cobranças.

Na Alemanha, por exemplo, cerca de 35% das empresas "afirmam que os atrasos nos pagamentos têm um forte impacto no número de colaboradores", acrescenta. Em situação semelhante são apontadas 30% das inquiridas no Reino Unido, 28% em Espanha e 25% em França, todas "a justificarem a dispensa de trabalhadores devido aos pagamentos em atraso".

Ainda segundo os resultados do estudo, na Europa existem cerca de 360 mil milhões de euros que são incobráveis, apesar de ter ocorrido uma descida na duração média dos pagamentos nos consumidores, nas empresas e no setor público face ao ano anterior.

"Se as empresas europeias tivessem disponíveis os 360 mil milhões de euros podiam fazer novos investimentos e contratar mais colaboradores. Mas, ao contrário disso, há cada vez mais empresas a cortar gastos para evitar a falência", sublinha Luís Salvaterra, diretor geral da "Intrum Justitia" Portugal.

Estes problemas de atrasos e de não pagamentos afetam sobretudo as PME, exigindo "um esforço de vendas extra para compensar essas perdas", defende o mesmo responsável, citado no comunicado.

A "Intrum Justitia" acrescenta que "apesar dos rumores sobre o fim da recessão", 72% dos gestores entrevistados afirmam que ainda não viram mudanças positivas nos últimos meses e 46% preveem um aumento nos riscos de atrasos e de não pagamento.