PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

Aumento dos transportes foi quase "um assalto por esticão"

Aumento dos transportes foi quase "um assalto por esticão"

O pacote de aumento dos preços dos transportes anunciados pelo Governo foi quase "um assalto por esticão", disse, esta quinta-feira, Vítor Pereira, dirigente da Federação dos Sindicatos dos Transportes, numa acção de protesto no Cais do Sodré, em Lisboa.

A Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS) distribuiu, esta quinta-feira, panfletos nos principais locais de acesso dos transportes públicos de Lisboa - Santa Apolónia, Cais do Sodré, Restauradores, Sete Rios e Entrecampos - e do Porto.

"O apelo que estamos a fazer em Lisboa e no Porto é no sentido das pessoas mostrarem a sua indignação visto que estes aumentos decretados pelo Governo são inadmissíveis", defendeu o sindicalista.

O Governo fixou na semana passada em 15% o aumento médio nos preços dos títulos de transportes rodoviários urbanos de Lisboa e do Porto, para os transportes ferroviários até 50 quilómetros e para os transportes fluviais. Em vários casos, os títulos de transporte aumentam mais de 20%.

"Nós entendemos que o que está aqui em causa é o direito ao transporte, o direito à mobilidade das pessoas e portanto pensamos que as pessoas têm de se indignar, têm de se revoltar e mostrar o seu descontentamento", prosseguiu.

O dirigente voltou a afirmar que o grande objectivo do Governo com esta medida é a privatização das empresas públicas de transportes".

"Este ataque ao transporte público, às empresas públicas é um ataque que não podemos aceitar porque é contra os utentes dos transportes públicos mas também é contra o país", sublinhou.

Para Vítor Pereira o que agrava ainda mais a situação é o facto de os aumentos não se limitarem aos transportes públicos.

"O problema é que não estamos só a falar do aumento dos transportes públicos. Estamos a falar de um pacote onde entram os transportes públicos, entram os medicamentos, entra a educação, entra um conjunto de necessidades que as pessoas têm, que se estão a tornar insuportáveis", indicou.

A FECTRANS está, "em conjunto com as comissões de utentes, a procurar encontrar formas de luta para que as pessoas possam mostrar o seu descontentamento", lembrou Vítor Pereira.