PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

banca

Banca diz que fundo de 12 mil milhões é um "conforto"

Banca diz que fundo de 12 mil milhões é um "conforto"

O presidente da Associação Portuguesa de Bancos admite que será "mais difícil" os bancos conseguirem rácios de capital de 10% até ao final de 2012, considerando ainda que o fundo acordado com a 'troika' é "um conforto".

Segundo o acordo entre o Governo e a 'troika', será exigido aos bancos um rácio 'core tier I' (nível de capital das instituições face aos seus activos ponderados de risco) de 9% no final de 2011 e de 10% até final de 2012.

Para António de Sousa, tendo em conta os actuais rácio de capital dos bancos, os 9% serão "facilmente atingidos" mas já os 10% até 2012 será "mais difícil".

Ainda assim, o responsável lembrou, durante um almoço da Associação comercial de Lisboa, que há várias maneiras de conseguir esse rácio, seja através da "capitalização dos bancos" ou da "redução de activos" ponderados de risco.

António Sousa considera que estas medidas, associadas ao "programa de desalavancagem" que os bancos já estão a fazer, levará a que estes "não precisarem" de recorrer ao fundo de capitalização de 12 mil milhões de euros associado aos 78 mil milhões do acordo com a 'troika' (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional).

Ainda assim, o presidente da APB considera que é um "conforto" a existência desta linha de apoio. "É um conforto que ela exista por vários motivos. Ou porque os activos não são vendáveis, por estarem desvalorizados por serem activos nacionais, ou porque a desalavancagem se vem a verificar mais difícil do que se pensa", explicou.