Economia

Borges "não foi feliz" mas presidente da CIP também não, diz Soares dos Santos

Borges "não foi feliz" mas presidente da CIP também não, diz Soares dos Santos

O presidente do Grupo Jerónimo Martins, Alexandre Soares dos Santos, afirmou este domingo que as declarações do conselheiro António Borges sobre a TSU "não foram felizes", mas criticou também a reação do presidente da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), António Saraiva.

No sábado, António Borges considerou que a medida do Governo sobre a Taxa Social Única (TSU) era "inteligente" e que os empresários que a criticaram eram "ignorantes" e não passariam no 1.º ano do curso de Economia.

Em resposta, o presidente da CIP sustentou que a maioria das empresas portuguesas também não contrataria o conselheiro do Governo para as privatizações, que também é membro do conselho de administração do Grupo Jerónimo Martins, ao qual regressou em março deste ano.

"Vamos ter respeito por um homem que foi diretor do FMI, não é um tipo qualquer", comentou Alexandre Soares dos Santos, em declarações aos jornalistas à margem da sessão de encerramento do Fórum Empresarial do Algarve, em Vilamoura.

Sobre as declarações de António Borges, observou que "foi infeliz" mas "a gente às vezes somos infelizes porque aquece ou houve alguma coisa que nos irritou no momento".

Opinou que "90 por cento do que ele [António Borges] disse foi muito bem dito", mas, criticou, "nós em Portugal vivemos ao nível do insulto".

Sobre a medida da TSU em si, considerou que "saiu de repente, foi muito mal vendida e muito mal apresentada".

António Borges foi administrador do grupo presidido por Alexandre Soares dos Santos entre 2001 e 31 de dezembro de 2010, como se lê nas páginas do grupo na Internet, e regressou este ano ao Conselho de Administração da Jerónimo Martins, integrando-o desde o passado dia 30 de março.

Outras Notícias