Economia

Cada português já pagou 1950 euros para salvar bancos

Cada português já pagou 1950 euros para salvar bancos

Entre 2008 e 2014, os contribuintes portugueses foram chamados a gastar o equivalente a 11,3% do produto interno bruto para ajudar e salvar bancos. Gastámos 19,5 mil milhões de euros - o equivalente a 1950 euros por português -, diz o Banco Central Europeu, num novo estudo sobre o "impacto orçamental do apoio ao setor financeiro durante a crise".

Não sendo das maiores proporções da Zona Euro - na Irlanda, o custo financeiro para os contribuintes atingiu 31,1% do PIB, na Grécia chegou a 22,1% e em Chipre foi de 18,8%, só para citar os casos mais impressionantes -, a verdade é que o BCE dá nota muito negativa a Portugal. Razão? Os governos falharam redondamente na recuperação dessas ajudas, muitas delas injeções de dinheiro (empréstimos) por conta de ativos bancários ilíquidos ou sem quase valor nenhum.

A taxa de recuperação de ativos (do dinheiro público empatado nos bancos ou com os bancos) - que no fundo é a diferença entre o custo bruto dos ativos financeiros comprados aos bancos e o custo líquido - é "particularmente baixa na Irlanda, em Chipre e Portugal, ao passo que é relativamente alta na Holanda", refere o estudo, que faz parte do boletim económico do BCE. Portugal falhou, basicamente. A taxa de recuperação é quase nula.

"A maioria dos governos da Zona do Euro apoiaram o setor financeiro com um conjunto de medidas", mas estas foram variando de país para país. O sucesso em reaver o dinheiro público também.

O BCE dá exemplos. Comprando os ativos ilíquidos dos bancos, dando empréstimos diretos às instituições; comprando ativos, incluindo ações, títulos de dívida e outros, tendo os governos dado em troca dinheiro ou outros colaterais a preços de mercado; injetando capital nas instituições em dificuldades comprando ativos "bem acima do seu valor de mercado".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG