O Jogo ao Vivo

Banca

CaixaBank vai lançar OPA sobre BPI

CaixaBank vai lançar OPA sobre BPI

O CaixaBank vai lançar, nas próximas horas, uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre o capital do BPI, após a rutura do acordo com a Santoro Finance, empresa de Isabel dos Santos.

Este anúncio acontece horas depois de o BPI ter anunciado a rutura do acordo com a Santoro Finance, responsabilizando a empresa da empresária angolana.

O objetivo da OPA, segundo o Económico, é controlar mais de metade do capital do BPI, dado que o grupo catalão já tem 44% do BPI, mas só pode votar com 20%, em consequência da blindagem.

O Expresso lembra que o banco espanhol tentou, em 2015, uma OPA sobre o BPI que fracassou, dado que Isabel dos Santos, com cerca de 20% do banco, recusou pôr fim à limitação dos direitos de voto do banco a 20%.

Os jornais noticiam também que o Governo aprovou na quinta-feira um decreto-lei que possibilita, segundo o Público, a desblindagem dos estatutos do BPI, em que os direitos de voto estão restringidos a 20% dos presentes em assembleia-geral. O diploma já foi enviado para o Presidente da República.

Os dois maiores acionistas do BPI, o espanhol CaixaBank e a angolana Santoro Finance, continuam sem fechar um acordo que resolva o problema de excesso de exposição do banco português a Angola, e a instituição já discute alternativas com Frankfurt.

"O Banco BPI informa que ficou sem efeito o entendimento que foi anunciado ao mercado no passado dia 10 de abril e a solução que no quadro do mesmo estava prevista", lê-se num comunicado hoje disponibilizado pela entidade liderada por Fernando Ulrich à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que avança que o banco português já "está em contacto com o Banco Central Europeu (BCE) para ser encontrada uma alternativa".

PUB

O acordo entre as partes parecia fechado quando, no domingo passado (10 de abril), o BPI revelou que as negociações entre o CaixaBank e a Santoro Finance tinham terminado com "sucesso", permitindo encontrar uma solução para a "situação de incumprimento pelo Banco BPI do limite de grandes riscos".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG