Economia

Cameron diz que Reino Unido não tem de salvar a Grécia

Cameron diz que Reino Unido não tem de salvar a Grécia

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou esta terça-feira que o Reino Unido não tem de participar no resgate da Grécia através de empréstimos europeus ou bilaterais e que a zona euro deve resolver os seus problemas pelos seus meios.

"Pensamos que o mecanismo europeu de estabilidade financeira não deve ser utilizado" para ajudar a Grécia, afirmou o chefe do governo britânico numa conferência de imprensa em Downing Street.

"Não estivemos envolvidos no plano de resgate inicial e não devemos ser envolvidos em planos de resgate posteriores. Essas questões são debatidas ao nível da zona euro e não ao nível dos 27 e seria inconveniente fazer o Reino Unido participar neste resgate", insistiu.

Cameron disse estar convencido de que a zona euro vai conseguir ultrapassar a crise da dívida sem abandonar a moeda única e reafirmou que, embora Londres tenha rejeitado a adoção do euro pelo Reino Unido, a estabilidade da moeda europeia é do interesse do seu país.

"O Reino Unido é prejudicado quando a zona euro está em dificuldades. Quarenta por cento das nossas exportações são para países da zona euro", disse.

"Os países que adoptaram o euro investiram muito na moeda única, não querem nem vão deixá-la fracassar. Consideram-na uma peça chave do interesse nacional e não tenho nenhuma dúvida quanto à determinação para ultrapassar as dificuldades do momento", acrescentou.

Os países europeus estão a negociar há semanas a criação de um segundo plano de ajuda à Grécia para evitar a bancarrota do país a mais longo prazo, tendo em conta que o primeiro empréstimo, de 110 mil milhões de euros, se revelou insuficiente.