Regresso às Aulas 2022

"Esta iniciativa foi um estímulo para os jovens"

"Esta iniciativa foi um estímulo para os jovens"
Produzido por:
Brand Story

António Alves, diretor geral da Opticalia, em entrevista ao Jornal de Notícias, enaltece diminuição do número de crianças sem a necessária correção visual.

A Opticalia juntou-se à iniciativa "Regresso às Aulas" em 2016. Que balanço faz destes sete anos de parceria?

Fazemos um balanço muito positiva, pois neste caso é o mérito que premiamos e também ajudamos as pessoas que menos têm, mas que se esforçam e lutam para ter uma vida melhor.

O apoio da Opticalia motivou ainda mais os premiados a continuarem o percurso académico de excelência e alguns já conseguiram entrar para a Universidade ou estão em vias de o fazer. Sente que a missão desta iniciativa está a ser cumprida?

Completamente. Há uns tempos estava numa loja e encontrei lá uma jovem que tinha sido uma das vencedoras e contou-me que estava no 12.º Ano, que se ia candidatar à faculdade, que tinha sido sempre boa aluna e com médias para entrar no curso que queria. Esta iniciativa foi um estímulo para os jovens continuarem com o percurso de excelência, mas também para os pais, pois para além da ajuda financeira puderam perceber que os filhos tinham capacidade para seguirem com os estudos.

Tem havido uma maior preocupação dos pais com a saúde visual das crianças? A entrada para o 1.º ciclo é um ponto-chave nesse capítulo?

Quando as crianças vão para a escola é que se percebe melhor se precisam ou não de correção visual. Os professores estão atentos e, hoje, já não há muitos jovens sem correção visual. Neste momento, a parte da acústica não é tão vigiada e as crianças ouvem menos bem e depois têm dificuldades na aprendizagem.

A Educação deve ser encarada como um dos pilares fundamentais para se alcançar uma sociedade mais justa e para se combater a pobreza?

A Educação é tudo. Há países muito pobres, como Cuba, mas do ponto de vista educacional riquíssimos, o que ajuda a combater as assimetrias. Em Portugal, praticamente, já não há analfabetismo entre os mais jovens.

Ao longo destes quase 10 anos, 125 jovens tiveram a oportunidade de começar o ano letivo com melhores condições. Que mensagem gostaria de deixar aos futuros premiados?

Parabéns e obrigado por se esforçarem para terem um excelente desempenho escolar. Convido a concorrerem e a aderirem a este projeto, pois quanto mais candidaturas tivermos, mais nivelamos por cima esta iniciativa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG