Finanças

Carros, bancos e EDP lideram lista dos benefícios fiscais

Carros, bancos e EDP lideram lista dos benefícios fiscais

O Estado concedeu 2,43 mil milhões em desagravamentos de impostos, sobretudo no IRC. Fiscalista defende mais transparência e diz que o sistema é permeável a pressões.

O contribuinte que teve maior benefício fiscal no ano passado chama-se EDP Produção. Foram 77,5 milhões de euros. Somando todas as entidades pertencentes ao grupo da elétrica, o valor chega aos 90,2 milhões de euros. Por setores, o automóvel vai à frente, com 232 milhões de euros de desagravamento tributário. Em destaque está também a banca, que evitou pagar quase 63 milhões de euros ao Tesouro.

O erário público não cobrou, por opção consagrada legalmente, 2,43 mil milhões de euros em impostos no ano passado, ligeiramente menos do que os 2,56 mil milhões de desagravamento concedidos no ano transato. O imposto que mais receita "perdeu" por via deste desagravamento foi o IRC. Foram mais de 910 milhões de euros distribuídos por mais de uma centena de benefícios tipificados na lei. Aqui está incluído, por exemplo, o lote de empresas que têm morada fiscal na zona franca da Madeira, beneficiando de um "desconto" de 4,5 milhões de euros em IRC.

Ler mais na edição impressa ou na versão e-paper