IRS

CDS pede dedução de despesas para famílias com idosos doentes em casa

CDS pede dedução de despesas para famílias com idosos doentes em casa

O CDS-PP vai propor que o IRS passe a incluir a dedução de despesas com cuidados de saúde para agregados familiares com idosos doentes a cargo.

"O CDS tem apresentado um trabalho ao longo de vários Governos nesta área dos cuidados paliativos. A ideia é que as famílias que optem por ter os seus familiares doentes ou em fim de vida nas suas casas sejam ajudadas", disse a deputada centrista Isabel Galriça Neto à agência Lusa.

Segundo a parlamentar, esta vai ser uma de um conjunto de alterações a propor em sede de discussão na especialidade do Orçamento do Estado por parte do CDS-PP. O objetivo dos democratas-cristãos é que as despesas de serviços de enfermagem ou apoio ao domicílio passem a ser alvo de deduções, como já acontece com os agregados que têm familiares institucionalizados em lares ou estabelecimentos do género e têm os respetivos "benefícios fiscais".

"Seria variável, consoante os rendimentos dos agregados familiares. Atualmente, são discriminadas aquelas pessoas que têm as despesas para ter os seus entes queridos em casa. Isto vem na linha de outras medidas, como a criação do estatuto do cuidador, também já assinalada pelo Presidente da República", completou Galriça Neto, sublinhando a necessidade desta "medida humanizadora e dignificadora do fim de vida".

Na proposta de Orçamento do Estado para 2018 entregue na sexta-feira à noite pelo Governo no parlamento, o executivo prevê um défice orçamental de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) e um crescimento económico de 2,2% no próximo ano.

O Governo melhorou também as estimativas para este ano, prevendo um crescimento económico de 2,6% e um défice orçamental de 1,4%. Quanto à taxa de desemprego, deve descer de 9,2% este ano para 8,6% no próximo.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG