Orçamento Suplementar

Centeno de saída do Governo: "Vai ser um ano difícil para a economia"

Centeno de saída do Governo: "Vai ser um ano difícil para a economia"

No dia em que foi anunciada a saída de Mário Centeno do cargo de ministro das Finanças, o governante ainda apresentou o orçamento suplementar.

O ainda ministro das Finanças afirmou em conferência de imprensa que a crise económica não passará de forma leve por Portugal. "A evolução segue padrão que esperávamos. Será uma crise severa, mas temporária", disse Mário Centeno. Apesar da retoma da economia nas últimas semanas, o governante afirma que "vai ser um ano difícil para economia e para as finanças públicas".

Entre a segunda quinzena de março e de abril, a atividade económica reduziu de forma drástica e os novos registos nos centros de emprego vem demonstrar isso mesmo. Em março houve uma média diária de 2300 novos desempregados e em abril foram 3031. De acordo com Centeno, os números começaram a reduzir em maio e também em junho. "Há sinais positivos do mercado de trabalho. Criamos redes para preservar o emprego como o lay-off simplificado", afirmou.

Apesar do otimismo não há como fugir aos números e às previsões, Centeno estima que dívida pública será de 134,4% do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano, o que significa um "um aumento de 16,7 pontos percentuais". A queda do PIB está estimada para os 6,9%. Já o secretário de Estado do Orçamento, João Leão, que será o próximo ministro das Finanças, anunciou que o défice orçamental para 2020 será de 6,3% do PIB.

Quanto às prestações sociais, João Leão prevê um "aumento de mil milhões de euros face ao previsto para 2020". O pacote de medidas do orçamento suplementar, aprovado pelo Governo e que será votado pelo Parlamento, prevê, por exemplo, o "pagamento extraordinário de abono de família de 32 milhões de euros" e mais 72 milhões de euros em subsídios de desemprego. "Este pacote de medidas são essenciais para numa segunda fase recuperar a economia", disse. Haverá ainda um reforço adicional de 500 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) -- é um aumento de 13% face ao Orçamento do Estado de 2019.

Questionados pela TAP, a equipa do Ministério das Finanças revelou que a decisão sobre a ajuda à companhia aérea portuguesa ainda não está concluída. Álvaro Novo, secretário de Estado do Tesouro, revelou que o Governo ainda aguarda por uma resposta da Comissão Europeia sobre o auxílio do Estado à TAP. No entanto, já está definido um montante máximo de ajuda previsto de 1200 milhões de euros.

As perguntas a Mário Centeno sobre o futuro foram muitas e o ainda governante já garantiu que ficará na presidência do Eurogrupo até meados de julho e que não assumirá o lugar de deputado na Assembleia da República. "Ao longo destes 1664 dias como ministro das Finanças, cinco orçamentos cumpridos e 912 dias como presidente do Eurogrupo, todos os dias entrei no Ministério com a mesma determinação do primeiro dia", disse, quando questionado se estava cansado do cargo.

Leia aqui a proposta o orçamento suplementar do Governo.

Outras Notícias