Protesto

CGTP conta ter "grande manifestação" em Lisboa contra política laboral

CGTP conta ter "grande manifestação" em Lisboa contra política laboral

A CGTP prevê ter "uma grande manifestação" em Lisboa, no sábado, com dezenas de milhar de trabalhadores vindos de todo o país para protestar contra a política laboral.

"Garantidamente vamos ter uma grande manifestação em Lisboa, que poderá ser o ponto de partida para a intensificação da ação reivindicativa nos locais de trabalho", disse à agência Lusa João Torres, da direção da Intersindical.

Segundo o sindicalista, estão contratados mais de 150 autocarros para transportar trabalhadores até Lisboa e quatro comboios com partida do Porto.

"A semana que está a terminar foi muito positiva em termos de mobilização pois realizaram-se centenas de plenários por todo o país, e os trabalhadores mostraram-se disponíveis e mobilizados para a luta", disse, lembrando o esforço individual e coletivo que foi feito nas últimas semanas.

A manifestação de sábado tinha sido convocada para defender a necessidade de valorização do trabalho e dos trabalhadores, através de uma melhor distribuição da riqueza e da melhoria das condições de vida e de trabalho, mas, com o recente acordo de concertação social para a revisão do Código do Trabalho, a CGTP considera que existem agora motivos acrescidos para o protesto.

"Estão criadas as condições para uma grande manifestação pois agora os trabalhadores têm mais um argumento para protestar", disse João Torres, acrescentando que, no sábado, a CGTP vai apelar à intensificação da luta nos locais de trabalho.

Segundo o sindicalista, os baixos salários, a precariedade, a desregulamentação dos horários de trabalho e o desrespeito pela contratação coletiva só terminarão devido à luta dos trabalhadores.

"Porque o Governo não está disponível para resolver os problemas dos trabalhadores, acreditamos que só os trabalhadores poderão resolver os seus problemas", afirmou.

Na segunda-feira, o Governo aprovou a proposta de lei para alterar o Código de Trabalho, nomeadamente reduzir o limite dos contratos a prazo e aumentar a duração do período experimental, na sequência do acordo de concertação social de 30 de maio, a que a CGTP não aderiu.

Outros Artigos Recomendados