Aviação

Cinco meses de greve na Ryanair em Espanha arrancam com dez voos cancelados

Cinco meses de greve na Ryanair em Espanha arrancam com dez voos cancelados

O primeiro dia de cinco meses de greves na Ryanair em Espanha levou, esta segunda-feira, ao cancelamento de 10 voos com origem ou destino no país, assim como a atrasos em 233 ligações, segundo os sindicatos que convocaram o protesto.

A greve é dos tripulantes de cabine, que hoje iniciaram o terceiro período deste ano de paralisações na Ryanair em Espanha e que se vai prolongar até 07 de janeiro, todas as semanas, entre segunda e quinta-feira.

Nos períodos anteriores, em junho e julho, as greves seguiram o mesmo modelo e levaram ao cancelamento de 319 voos com origem ou destino em aeroportos espanhóis e a atrasos em 3.700 ligações.

PUB

O aeroporto mais afetado hoje com a grave foi o de Barcelona, o que já aconteceu nas paralisações de junho e julho, segundo dos dados dos sindicatos.

Nenhum dos voos cancelados tinha como origem ou destino Portugal.

As greves visam "obrigar a Ryanair a cumprir a lei espanhola", dizem os sindicatos, segundo os quais estão em causa direitos laborais associados a atualizações salariais, férias, folgas e períodos de descanso.

O incumprimento da Ryanair das leis laborais espanholas nas bases que tem no país já foi atestado por diversas vezes pelos tribunais, sublinham os sindicatos, que pedem também a intervenção do Governo.

Os sindicatos reiteraram hoje, no arranque de mais um período de greves dada a falta de respostas da empresa, que em junho e julho a Ryanair despediu 11 tripulantes de cabine "por exercerem o seu direito à greve", algo que a companhia aérea nega.

Entre as reivindicações para o protesto convocado até janeiro está a reincorporação na empresa destes 11 trabalhadores e o fim dos mais de cem processos disciplinares que os sindicatos asseguram que a Ryanair instaurou a trabalhadores por aderirem à greve.

Os representantes dos trabalhadores condenaram também, mais uma vez, o Ministério do Trabalho espanhol por não ter respondido a pedidos de reunião dos sindicatos e aos apelos para ser mediador no conflito.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG