Capitais

CMVM acompanha Luanda Leaks "com muita atenção e ação"

CMVM acompanha Luanda Leaks "com muita atenção e ação"

A presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários afirmou que o órgão "iniciou já ações de supervisão concretas" no âmbito das revelações do caso Luanda Leaks, que detalha os esquemas financeiros da empresária angolana Isabel dos Santos.

Gabriela Figueiredo Dias respondia a questões de jornalistas, na sede da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), em Lisboa, num encontro onde a entidade supervisora apresentou as suas prioridades para 2020.

Questionada se a CMVM está a seguir o processo, a presidente do Conselho de Administração disse que a entidade "está a acompanhar a situação com muita atenção e ação", as duas conjugadas.

Gabriela Figueiredo Dias sublinhou que a informação divulgada pelo Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ) no passado domingo "é de enorme relevo para a CMVM".

"É importante, relevante, estamos a acompanhar com a atenção e atuar com tranquilidade que deve caracterizar o regulador, com o recato que a nossa atenção deve respeitar, mas com a assertividade e maior acutilância possível", acrescentou.

"A CMVM iniciou já desde segunda-feira ações de supervisão concretas junto dos responsáveis", afirmou.

As emitentes NOS e a Galp são empresas participadas pela empresária Isabel dos Santos, estando a CMVM a acompanhar a situação. "Estamos a acompanhar e a atuar junto da NOS, enquanto entidade emitente", referiu a responsável. "Enquanto entidade emitente foram solicitadas informações e estamos numa interação permanente", acrescentou.

"Algumas auditoras já foram objeto de ações, estamos a trabalhar e não são iniciativas que se tomem de ânimo leve, cada intervenção é devidamente trabalhada", disse ainda a responsável.

Gabriela Figueiredo Dias sublinhou que as participações qualificadas na NOS e na Galp "são transparentes" e que não é isso que está em causa.

A CMVM tem também ações de supervisão a decorrer junto dos auditores envolvidos no Luanda Leaks. "A supervisão é recolha de informação, estamos a pedir esclarecimentos, a procurar e obter, estamos a obter informação que nos permitirá depois de analisadas" decidir se haverá outras medidas a adotar ou não, prosseguiu.

O Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ) revelou no domingo mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de Luanda Leaks, que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano, utilizando paraísos fiscais.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG