Preços

Combustíveis vão atingir máximos de há cinco anos

Combustíveis vão atingir máximos de há cinco anos

Gasóleo vai subir três cêntimos e a gasolina dois cêntimos por litro, já a partir de segunda-feira, dia 8. É preciso recuar a 2013 para encontrar preços semelhantes.

Os preços da gasolina e do gasóleo vão atingir, na próxima segunda-feira, máximos só alcançados em 2013. Segundo fontes do mercado petrolífero, o custo final do diesel deverá subir três cêntimos e a gasolina ficará mais cara dois cêntimos por litro. A evolução em alta da cotação do petróleo, que ronda agora os 85 dólares por barril, ao longo desta semana explica em grande medida os agravamentos previstos pelo setor.

De acordo com os dados da Comissão Europeia (CE), o preço médio da gasolina estava nos 1,587 euros por litro na semana iniciada a 1 de outubro. Uma subida de dois cêntimos, significa que o custo final médio deverá subir para 1,607 euros. Consultando o histórico de preços da CE, constata-se que é preciso recuar a setembro de 2013 para encontrar valores iguais ou superiores ao estimado para a próxima semana.

No caso do gasóleo, o combustível mais utilizado em Portugal, o preço médio a 1 de outubro era de 1,398 euros. Um agravamento de três cêntimos significa que o custo médio irá ser de 1,428 euros por litro a partir da próxima segunda-feira. Para encontrar valores parecidos, será necessário recuar a março de 2013 no histórico de preços da CE.

O preço do barril de petróleo Brent para entrega em dezembro fechou ontem no mercado de futuros de Londres em baixa de 1,88%, para os 84,66 dólares. O crude do mar do Norte, de referência na Europa, concluiu a sessão a cotar 1,63 dólares abaixo dos 86,29 com que encerrou as transações na quarta-feira.

O preço do petróleo desceu, depois de ter superado na última quarta-feira a barreira dos 86 dólares pela primeira vez em quatro anos, devido a especulações sobre um possível acordo entre sauditas e russos para aumentar a produção. A perspetiva desta subida diminuiu os temores com a possível redução da oferta de petróleo, devido à aplicação das sanções norte-americanas ao Irão a partir de novembro.