Austeridade

Conselho de Ministros extraordinário pela noite dentro

Conselho de Ministros extraordinário pela noite dentro

A reunião de Conselho de Ministros extraordinário, que teve início às 09.00 horas de sábado, prolongou-se pela madrugada deste domingo, para o Governo aprovar a proposta de Orçamento para 2015, a primeira após o programa de assistência financeira e a última da presente legislatura.

Segundo a SIC Notícias, cerca das 22 horas, houve uma interrupção para jantar, ou seja, após mais de 12 horas ainda não estava finalizada a proposta de Orçamento do Estado para 2015.

A reunião começou por volta das 09.00 horas de sábado e tinha sido interrompida, ao início da tarde, para almoço, durante pouco mais de uma hora.

Antes do recomeço da reunião, por volta das 15.00 horas, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, foi questionado pelos jornalistas sobre o desenvolvimento dos trabalhos.

"Estão a decorrer normalmente. Ainda falta qualquer coisa", limitou-se a dizer Pedro Passos Coelho, tendo ao seu lado os titulares das pastas das Finanças, Maria Luís Albuquerque, e do Ambiente, Jorge Moreira da Silva.

A proposta do Governo Orçamento do Estado para 2015 deverá confirmar o objetivo de cortar o défice para os 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB) e um crescimento económico de 1,5% no próximo ano, estando simultaneamente em análise um alívio da carga fiscal, através de uma descida da sobretaxa de IRS de 3,5% para 2,5% e do IRC de 23% para 21%.

Por outro lado, a proposta orçamental deverá confirmar um crescimento económico de 1,5% do PIB, conforme previsto no Documento de Estratégia Orçamental (DEO), preparado em conjunto com a "troika' (Banco Central Europeu, Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional) e apresentado em abril.

PUB

A proposta preliminar de Orçamento de Estado para o próximo ano, que terá de entrar no parlamento até à próxima quarta-feira, deverá prever medidas como a manutenção dos cortes nas pensões superiores a 4.611,42 euros, e o congelamento das pensões e dos salários na função pública.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG