Falta de semicondutores

Continental de Vila Real reduz trabalho para 4 dias/semana

Continental de Vila Real reduz trabalho para 4 dias/semana

A unidade industrial de Vila Real da Continental reduziu a semana de trabalho para quatro dias, uma medida que é temporária e está a ser provocada pela falta de semicondutores.

A medida foi explicada, esta terça-feira, pelo diretor-geral da Continental Advanced Antenna, Miguel Pinto, que afirmou que a alteração da jornada de trabalho, com paragem à sexta-feira e cedendo os colaboradores um dia de férias, "é transitória", foi uma solução "ajustada às exigências do momento" e que acredita "no célere regresso à normalidade".

A unidade de Vila Real da Continental é uma das principais especialistas e fabricantes mundiais de antenas para veículos e a quase totalidade da sua produção é exportada.

Com mais de 500 funcionários esta é uma das maiores empregadoras privadas do distrito de Vila Real.

O responsável disse que as interrupções causadas pela crise imposta pela covid-19 provocaram uma "extrema volatilidade em toda a indústria automóvel".

Explicou que, durante a pandemia, verificou-se o aumento da procura de equipamentos pessoais ("laptops", "ipads", "'smartphones") para os quais são necessários "chips" e semicondutores, pelo que, a aceleração da digitalização da economia, associada à maior recuperação do que inicialmente seria esperado na indústria automóvel, levou a que se registasse uma escassez destes componentes a uma escala mundial.

Há também dificuldades no transporte dos materiais provenientes do continente asiático, onde se localizam muitas das fábricas.

PUB

Em consequência, algumas fábricas estão a construir menos carros porque não têm componentes, o que afeta toda a cadeia de fornecimento, nomeadamente a Continental Advanced Antenna.

Também a Autoeuropa, em Palmela, volta a parar a produção a partir de segunda-feira e até 4 de outubro devido à "continuidade de escassez de componentes", segundo uma nota da empresa de Palmela aos trabalhadores.

Miguel Pinto referiu que a empresa de Vila Real "tem consciência que se trata de uma situação impactante para o setor, mas de cariz transitória", por isso, mantém "o foco na identificação de soluções ajustadas às exigências do momento".

"Achamos que a melhor solução para salvaguardar os nossos colaborares era cada um de nós trabalhar só quatro dias por semana, cedendo um dia de férias. É o que estamos a fazer durante setembro e poderá haver necessidade de fazê-lo durante mais algum tempo. A nossa expectativa é que seja o mais breve possível, mas é uma forma de salvaguardar todos os colaboradores, todos os nossos colegas e, ao mesmo tempo, poder fazer face a esta situação que é transitória", salientou o diretor-geral.

O responsável reforçou a "responsabilidade social que sempre pautou as decisões da empresa" e que esta "medida foi considerada como sendo a mais adequada e justa para todos os colaboradores".

"Estamos constantemente na procura da melhoria contínua, utilizando sempre que possível materiais alternativos e fornecedores diferentes de forma a garantir a produção", afirmou.

Acrescentou ainda que as "equipas de compras e engenharia continuam a explorar alternativas para reduzir os impactos causados por esta crise global de falta de componentes eletrónicos".

Miguel Pinto referiu que "já se notam algumas tendências de melhoria" e considerou que "este é um problema global que irá ser resolvido", lembrando que a procura pela compra de automóveis se manteve.

Fundado em 1871, o grupo Continental oferece soluções para veículos, máquinas, tráfego e transporte e, em 2020, gerou vendas de 37,7 mil milhões de euros e emprega atualmente cerca de 193 mil pessoas em 58 países e mercados. O grupo celebra este ano os seus 150 anos

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG