Primeiro-ministro

Costa "regozija-se" com emenda do erro da TAP

Costa "regozija-se" com emenda do erro da TAP

Primeiro-ministro disse que a companhia aérea é um instrumento fundamental de desenvolvimento do país, mas no seu todo.

"Só me tenho a regozijar que quem erra emende o erro e isso não merece censura", comentou António Costa, à saída da reunião com os parceiros sociais, relativamente ao comunicado do Conselho de Administração da TAP, ao final desta quarta-feira, anunciando que irá rever o plano de rotas para os próximos dois meses, de forma a incluir todos os aeroportos do país na retoma de atividade.

O primeiro-ministro sublinhou que "é muito importante para o país que a TAP seja bem gerida, tenha condições de sustentabilidade, seja um instrumento de desenvolvimento e coesão nacional e também de dinamização da economia nacional", estatuto que justificou a reversão de parte do capital da empresa para o Estado no primeiro Governo de Costa.

"Queremos que [a TAP] continue a ser um parceiro essencial no desenvolvimento do país, mas isso tem de ser feito no seu todo. Temos um aeroporto muito saturado, como é o da Portela, e temos uma infraestrutura fantástica no Aeroporto Francisco de Sá Carneiro, e temos de saber aproveitar e rentabilizar todas as infraestruturas de que o país dispõe", rematou o líder governamental.