O Jogo ao Vivo

Pandmia

Covid tirou 3,2 mil milhões de euros ao alojamento turístico em 12 meses

Covid tirou 3,2 mil milhões de euros ao alojamento turístico em 12 meses

Entre janeiro e fevereiro deste ano, espaços hoteleiros, locais e rurais perderam quase 320 milhões de euros.

Um ano de pandemia "roubou" mais de três mil milhões de euros em proveitos totais às unidades de alojamento para turistas (hotelaria e alojamento local com dez camas ou mais e turismo em espaço rural).

Apenas entre janeiro e fevereiro deste ano, os referidos estabelecimentos perderam quase 320 milhões.

No início de 2020, houve mais hóspedes, dormidas e proveitos, mas março foi o mês de inversão. Com grande parte da Europa já confinada, o primeiro estado de emergência entrou em vigor a 19 de março.

Abril e maio foram meses em que a maioria dos hotéis estiveram fechados. A caminho do verão, e acompanhando o desconfinamento, as unidades foram abrindo e recebendo turistas. O verão foi distinto de outros anos, mas ainda assim contou com turistas nacionais e estrangeiros. O inverno, sem grandes eventos e com uma Europa quase fechada, voltou a ser sinónimo de muitas unidades encerradas. No início deste ano, um novo confinamento foi decretado.

Contas feitas a 12 meses de pandemia (entre março de 2020 e fevereiro de 2021), é possível perceber a dimensão da fatura. Os alojamento para turistas registaram oito milhões de hóspedes, longe dos mais de 24,8 milhões de um ano antes, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

Sem dormir

PUB

Com uma queda de quase 71% nos hóspedes, as dormidas também afundaram (-72%). No acumulado dos 12 meses, as unidades para viajantes registaram pouco mais de 20 milhões de dormidas, muito distante dos mais de 70,8 milhões entre março/2019 e fevereiro/2020. Antes da covid, o turismo interno era responsável por cerca de um terço da atividade turística em Portugal. Nos últimos 12 meses, as dormidas dos nacionais, embora dominantes, caíram cerca de 44%.

Queda de 70%

Os proveitos totais (que além dos de aposento incluem os que provêm da restauração, aluguer de salas, etc.) afundaram mais de 70% nos 12 meses de pandemia, tendo-se ficado pelos 1,1 mil milhões de euros, segundo os números do INE.

A mesma tendência

No acumulado do período homólogo anterior, os proveitos totais tinham ascendido a mais de 4,3 mil milhões de euros. Registou-se assim uma queda de quase 74%. Durante a pandemia, os proveitos de aposento foram o que mais contribuíram para os proveitos totais. Já este ano, os proveitos totais rondaram os 51,2 milhões, contra os 370 milhões de janeiro e fevereiro do ano passado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG