Serviços

CTT preveem que greve seja pouco sentida e avançam com plano de contingência

CTT preveem que greve seja pouco sentida e avançam com plano de contingência

Os CTT preveem que os efeitos da greve de quinta e sexta-feira sejam "pouco sentidos", admitindo apenas "constrangimentos localizados em áreas específicas".

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, os CTT - Correios de Portugal referem que o pré-aviso abrange ambas as redes da empresa: a rede de distribuição postal (carteiros) e a rede de atendimento (Lojas CTT), não abrangendo a rede de Postos de Correio explorados por parceiros seus, nem os agentes que prestam serviços de pagamento PayShop.

"Os CTT preveem que, de um modo geral no país, os efeitos da greve sejam pouco sentidos, com a ocorrência de constrangimentos localizados em áreas específicas", referem em comunicado.

Na rede de cerca de 600 lojas próprias CTT "não se prevê que o impacto seja significativo", afirma a empresa, acrescentando que "em caso de necessidade, os clientes poderão optar por um dos mais de 1700 postos de correio não abrangidos pela greve".

Os CTT adiantam que na área operacional puseram já em funcionamento um plano de contingência "que inclui a realização de distribuições extraordinárias em alguns locais do país nos próximos dias 23, sábado, e 26, dia feriado nos CTT nos termos do Acordo de Empresa assinado com os sindicatos".

A empresa acrescenta que "esta paralisação não terá qualquer impacto na distribuição de vales de pensões, uma vez que os mesmos estão já todos entregues".

Os trabalhadores dos CTT avançaram com a greve para reivindicar melhores condições de trabalho e pela manutenção dos empregos, numa altura em que foi anunciada a redução de 800 postos de trabalho na área de operações da empresa.

Fernando Ambrioso, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações, filiado na CGTP, disse à agência Lusa que "a paralisação deverá ter uma forte adesão, tendo em conta a mobilização demonstrada pelos trabalhadores nos locais de trabalho".

O sindicalista prevê que a correspondência fique por distribuir nos dois dias da greve.

A paralisação foi também convocada pelo Sindicato Democrático dos Trabalhadores dos Correios, Telecomunicações, Media e Serviços (SINDETELCO), filiado na UGT.

Outros Artigos Recomendados