Economia

Desemprego passa os 14% e afecta mais de 770 mil portugueses

Desemprego passa os 14% e afecta mais de 770 mil portugueses

A taxa de desemprego disparou no quarto trimestre para os 14%, face aos 12,4% do trimestre anterior, com o número de desempregados a ultrapassar os 770 mil, divulgou esta quinta-feira o Instituto Nacional de Estatística.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística, a taxa de desemprego aumentou assim, em termos trimestrais, 1,6 pontos percentuais, ficando acima das estimativas dos economistas contactados pela agência Lusa que apontavam para que situasse entre os 13 e os 13,5%.

A taxa de desemprego média anual situou-se nos 12,7%, acima da estimativa do Governo inscrita no relatório do Orçamento do Estado para 2012 e da estimativa da 'troika' (de 12,5 e 12,4%, respectivamente).

Entre Setembro e Dezembro, o INE contabilizou 771 mil desempregados, o que representa um acréscimo trimestral de 2,4% (mais 81,4 mil pessoas).

Os números do INE não comparam períodos homólogos, uma vez que a metodologia utilizada para o cálculo da taxa de desemprego foi recentemente alterada pelo INE.

No entanto, no quarto trimestre de 2010, a taxa de desemprego fixou-se nos 11,4 por cento, tendo a média anual para o conjunto do ano chegado aos 10,8%.

Os números observados no final do ano passado atingem níveis absolutamente históricos, num contexto de subidas da taxa de desemprego em Portugal desde 2008, altura em que se situava nos 7,3%, o equivalente a 409,9 mil desempregados.

PUB

Segundo o INE, para a variação da população desempregada no quarto trimestre contribuiu nomeadamente o aumento do número de homens desempregados (50,7 mil) que explicou 62,3% da variação ocorrida no desemprego total.

O número de mulheres desempregadas aumentou menos (30,6 mil).

O número de desempregados dos 25 aos 34 anos e do desemprego jovem (15 a 24 anos) contribuiu também para a subida da taxa de desemprego, num total de 54,1 mil pessoas.

O número de desempregados à procura de novo emprego registou um aumento (76,8 mil), explicando 94,3% da variação ocorrida no desemprego total, tendo origem essencialmente no sector dos serviços (44,1 mil).

O aumento do número de desempregados à procura de novo emprego há mais de 12 meses, que abrangeu 49,1 mil pessoas, explicou por sua vez 60,3% da variação ocorrida no desemprego total.

De acordo com os dados do INE, a população empregada no final de 2011 era de 4,7 milhões de pessoas, com um decréscimo trimestral de 2,4% (menos 118,3 mil pessoas).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG