Economia

Desemprego preocupa deputados eleitos por Aveiro

Desemprego preocupa deputados eleitos por Aveiro

O desemprego, mesmo que abaixo da média nacional, e a precariedade das relações laborais são os problemas que mais afectam os deputados eleitos por Aveiro. O baixo aproveitamento dos fundos comunitários deve-se, dizem, a questões culturais e financeiras.

Couto dos Santos, o deputado que liderou a lista do PSD por Aveiro, questionou, esta segunda-feira, a importância das Comissões de Coordenação de Desenvolvimento Regional (CCDR). "Não sei para que servem e no caso do distrito de Aveiro, dividido entre o Norte e o Centro, ainda menos. Seria muito mais eficaz a criação de um 'cluster' regional que reunisse interesses empresariais de Aveiro, Viseu e Leiria, por exemplo, para investir no mercado externo", afirmou num debate sobre "O valor e os valores da região", incluído na conferência da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas (OTOC), e que juntou, também, Helena André (PS), Raul Almeida (CDS-PP) e Pedro Soares (BE), deputados eleitos por Aveiro.

O desemprego, apesar de no distrito (9,4%) se situar abaixo da média nacional (12,1%), foi apontado como o principal problema na região. A precariedade nas relações laborais (100 mil precários em 270 mil trabalhadores) foi analisada pela ex-ministra do Trabalho, Helena André, como um problema europeu. Pedro Soares lamentou que grandes empresas, "como a PT Inovação, sediada em Aveiro, tenha contratos precários".

O fraco aproveitamento dos fundos comunitários (14,8%) deve-se, segundo os deputados, a razões culturais - "os empresários aveirenses nunca estiveram à espera do apoio exterior, quer do Estado quer da Europa, têm um projecto e avançam", disse Couto dos Santos - mas também financeiras. Raul Almeida alertou para a necessidade de reduzir a comparticipação financeira nacional.

Questionados sobre o pouco peso político do distrito que leva, por exemplo, a que a região não tenha o reclamado hospital central, enquanto Coimbra, com menos 300 mil habitantes, tem dois, os deputados fugiram à pergunta. Parece que o distrito não está doente.

"Autarcas têm de provar que não são criminosos"

O presidente da Câmara de Aveiro, Élio Maia, aproveitou a sessão de encerramento da conferência para criticar os governantes que nos últimos anos têm retirado dinheiro e autonomia às autarquias. "Para além do constrangimento financeiro, há um excesso de produção legislativa, fazendo que 80% das decisões das Câmaras não sejam tomadas pelos eleitos mas pelo legislador", referiu Élio Maia.

PUB

O edil de Aveiro lamentou ainda a desconfiança com que os autarcas são encarados. "Há dias tive de enviar um registo criminal para o Tribunal de Contas, ou seja, os autarcas têm de provar que não são criminosos", ironizou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG