Impostos

Grandes contribuintes na mira do Fisco aumentaram 34%

Grandes contribuintes na mira do Fisco aumentaram 34%

Foram acompanhados 4.523 grandes contribuintes em 2019.

Aumentou 34,3% o número de pessoas e empresas na mira da Unidade de Grandes Contribuintes em 2019. Tal deveu-se, em grande parte, à troca automática de informação com outros países. A notícia é avançada pelo Jornal de Negócios que cita dados do Ministério das Finanças para indicar que esta unidade especial do Fisco acompanhou, no ano passado, 4.523 grandes contribuintes contra os 3.367 seguidos no ano anterior.

A Unidade de Grandes Contribuintes acompanha pessoas singulares com um rendimento acima dos 750 mil euros ou património acima dos cinco milhões, bem como as que declaram rendimentos inferiores, mas apresentem manifestações de fortuna coincidentes com esses limiares. Acompanha, ainda, pessoas com uma "relação jurídica ou económica" com estes "super-ricos", como cônjuges ou unidos de facto, por exemplo.

De acordo com os números do Ministério das Finanças, ainda provisórios, foram acompanhados 1.617 destes "super-ricos" em 2019, mais do dobro do ano anterior. Um aumento que o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, havia justificado, numa audição no Parlamento em dezembro, com "a troca de informação automática, como as informações, por exemplo, do reporte de saldos bancários, e o cadastro individual de contribuintes de elevada capacidade".

Também o número de pessoas coletivas seguidas aumentou em 2019. A Unidade de Grandes Contribuintes acompanhou 2.906 empresas, mais 11,4% do que em 2018.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG