INE

Inflação deve dar atualização de 1% a pensões até 886 euros

Inflação deve dar atualização de 1% a pensões até 886 euros

Dados provisórios do INE mantêm, para já, a atualização de salários da função pública nos 0,9%.

As pensões de valor até duas vezes o indexante de apoios sociais, no que deverá corresponder a 886 euros no próximo ano, deverão ter uma atualização em 1%, de acordo com os dados provisórios relativos à inflação em novembro divulgados nesta terça-feira pelo INE. Serão ainda confirmados a 14 de dezembro.

Segundo estes, o indicador de inflação que conta para a atualização anual automática das pensões - a inflação média dos últimos 12 meses, sem contar preços da habitação - ficará em novembro em 0,99%, assegurando uma elevação de valores de pensões uma décima acima daquela que era a percentagem esperada pelo governo aquando da apresentação do Orçamento da Segurança Social para o próximo ano.

Na ausência de crescimento económico igual ou superior a 2% na média dos últimos anos, será este o indicador único a contar no próximo ano para o reforço de pensões contra a perda de poder de compra, e também de várias outras prestações sociais que têm como referência o indexante de apoios sociais (IAS), que subirá em 1% aos 443 euros em 2022.

De acordo com as regras em vigor, as pensões de valor até duas vezes IAS (886 euros) serão atualizadas em 1%. São a maioria, correspondendo a cerca de dois milhões de prestações, segundo os dados do governo.

Já as pensões de valor entre duas e seis vezes IAS (de 886 a 2658 euros) subirão em 0,5% - apenas metade da inflação registada, por não haver crescimento económico acima de 2%.

Por fim, as pensões de valor superior a 2658 euros terão uma atualização em 0,25%.

PUB

Serão estas as subidas para um universo total de 2,6 milhões de pensões, sendo que as de valor mais baixo neste ano não verão um aumento extraordinário em dez euros trazido pelo Orçamento do Estado, chumbado.

O indicador da inflação média em novembro - desta feita, total, com habitação - determina também a atualização de salários da função pública no próximo ano, depois de o governo se ter comprometido a acompanhar a inflação case esta acelere para além dos 1%. Ora, neste caso, a subida média de preços dos últimos 12 meses não vai além dessa fasquia, à qual o governo desconta ainda 0,1% por conta da inflação negativa de 2020. Assim, e a confirmarem-se os dados finais do INE a 14 de dezembro, a atualização salarial da função pública deverá mesmo ficar em 0,9%.

Os dados hoje divulgados pelo INE dão conta de que nível de preços no cabaz do consumidor português terá ficado em novembro 2,6% acima daquele que era registado uma ano antes. O indicador de inflação homóloga disparou de 1,8% em outubro para os referidos 2,6%.

Já o indicador de inflação subjacente, que exclui energia e bens alimentares, e serve para sentir fenómenos mais persistentes de subida de preços, crescia em novembro 1,8%, face a um ano antes. Em outubro, a subida era de 1,1%.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG