INE

Taxa de desemprego caiu em dezembro para 6,5%

Taxa de desemprego caiu em dezembro para 6,5%

População classificada como estando no desemprego recuou 10,2%, aponta estimativa provisória do INE. Ano terminou com menos 52,7 mil empregos.

A taxa de desemprego terá recuado em dezembro para 6,5%, menos seis décimas do que a taxa apurada no mês anterior (7,1%, nos dados confirmados esta sexta-feira), indica o INE em estimativa provisória. Já a taxa de inatividade aumentou na mesma medida, 0,6 pontos percentuais, para 34,2%, ao mesmo tempo que o emprego conheceu um recuo em 0,2% no último mês do ano.

A taxa de desemprego em 6,5% estimada para dezembro traduz um recuo também em duas décimas face ao mesmo mês de 2019, antes da pandemia e da deterioração do mercado de trabalho.

Já a taxa de emprego recuou em dezembro duas décimas face ao mês anterior, para 61,5%, com o número de trabalhadores a cair 0,2%, menos 10,3 mil. Comparando com um ano antes, o ano terminou com menos 52,7 mil postos de trabalho, com o emprego a recuar assim 1,1%.

O INE alerta, mais uma vez, para as condições em que têm vindo a ser classificados os desempregados devido às restrições dos confinamentos motivados pela crise de saúde.

"Pessoas anteriormente classificadas como desempregadas e pessoas que efetivamente perderam o seu emprego foram (corretamente, do ponto de vista estatístico) classificadas como inativas caso não tenham feito uma procura ativa de emprego, devido às restrições à mobilidade, à redução ou mesmo interrupção dos canais normais de informação sobre ofertas de trabalho em consequência do encerramento parcial ou mesmo total de uma proporção muito significativa de empresas. Também a não disponibilidade para começar a trabalhar na semana de referência ou nos 15 dias seguintes, caso tivessem encontrado um emprego, levou à inclusão na população inativa", refere a nota estatística publicada esta sexta-feira.

PUB

Assim, a taxa de desemprego estimada para o último mês do ano reflete a contabilização de menos 37,8 mil desempregados, num universo de 331,1 mil, por comparação com o mês anterior. Traduz uma redução em 10,2% num mês em que a população ativa contava com menos 48,1 mil indivíduos (menos 0,9% que no mês anterior).

Já a população inativa aumentou em 50,2 mil indivíduos para 2 665,9 mil inativos, num crescimento de 1,9% na comparação com novembro. Face a um ano antes, o universo de inativos sobe 3,7% com mais 95,3 mil pessoas.

O INE calcula, por outro lado, a taxa de subutilização do trabalho, onde entram desempregados, inativos à procura de trabalho ou disponíveis e trabalhadores em part-time que gostariam de trabalhar mais horas, naquela que será nesta altura a melhor medida para avaliar a degradação do mercado de trabalho.

Em dezembro, a taxa de subutilização do trabalho atingia os 14% com uma redução de nove décimas face a novembro, abarcando 717 mil pessoas (menos 38,2 mil).

"A diminuição mensal da taxa de subutilização do trabalho neste mês resultou principalmente da diminuição da população desempregada (menos 10,2%)", explica a nota do INE.

Comparando com o mesmo mês de 2019, contam-se mais 41,7 mil indivíduos em subutilização do trabalho, mais 6,2%.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG