INE

Turismo cresce em junho, mas longe dos níveis de 2019

Turismo cresce em junho, mas longe dos níveis de 2019

No mês em que se iniciou o verão, registou-se uma quebra de 72% nas dormidas de turistas estrangeiros face a junho de 2019.

O setor do alojamento turístico registou, em junho deste ano, 1,4 milhões de hóspedes e 3,4 milhões de dormidas, refletindo crescimentos homólogos de 186,9% e 230,1%, respetivamente, segundo acaba de divulgar o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Mas comparando com o mês de junho de 2019 - ano anterior à pandemia - os hóspedes registaram um decréscimo de 50,1% e as dormidas diminuíram 52,6%.

Também comparando junho deste ano com o mesmo mês de 2019, verificam-se decréscimos de 7,6% nas dormidas de residentes e de 72% nas dormidas de não residentes.

No acumulado dos seis primeiros meses deste ano face ao período homólogo de 2020, verificou-se uma diminuição de 21,3% das dormidas totais, resultante de variações de +23,7% nos residentes e de -50,8% nos não residentes, aponta o INE. O instituto lembra que "estas variações são influenciadas pelo facto de nos dois primeiros meses de 2020 não se ter ainda feito sentir o impacto da pandemia".

Já se a comparação for com o mesmo período de 2019, verifica-se uma diminuição nas dormidas de 73,4% (-42,3% nos residentes e -85,9% nos não residentes).

No primeiro semestre deste ano e considerando a generalidade dos meios de alojamento (estabelecimentos de alojamento turístico, campismo e colónias de férias e pousadas da juventude), registaram-se 3,9 milhões de hóspedes e 9,4 milhões de dormidas, correspondendo a variações de -15,6% e -19,1%, respetivamente, face ao mesmo período de 2020.

PUB

Em junho deste ano, 25,3% dos estabelecimentos de alojamento turístico estiveram encerrados ou não registaram movimento de hóspedes (37,2% em maio).

Os proveitos nos estabelecimentos de alojamento turístico atingiram em junho 212,7 milhões de euros no total e 158,2 milhões de euros relativamente a aposento.

Face a junho de 2019, os proveitos totais diminuíram 54,4% e os relativos a aposento decresceram 55,4%.

O rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) situou-se em 31,8 euros em junho (20,5 euros em maio). O rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 87,4 euros em junho (76,7 euros em maio).

Em junho de 2019, o RevPAR e o ADR foram 62,1 euros e 97,6 euros, respetivamente.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG