Economia

Caso BES é o pior do mundo, diz autor de livro sobre a banca

Caso BES é o pior do mundo, diz autor de livro sobre a banca

O caso Espírito Santo é o maior exemplo do mau funcionamento do sistema bancário, "em todo o mundo", disse Marc Roche, autor do livro "Banksters - uma viagem ao submundo dos banqueiros" lançado em Portugal.

"Eu penso que o Espírito Santo é o caso que amplifica tudo, mesmo a nível internacional. Simboliza tudo o que de mal acontece no mundo financeiro e é o pior caso porque se trata de um grande banco num país pequeno", disse à Lusa Marc Roche, ex-jornalista dos jornais franceses "Le Soir" e "Le Monde" e que acaba de lançar em Portugal o livro "Banksters" que incluiu um capítulo sobre o Banco Espírito Santo (BES).

O investigador aponta o Espírito Santo como uma instituição com estreitas ligações à política; uma "dinastia" que não era controlada por conselhos de administração e que não prestava contas a ninguém, nem sequer ao regulador.

"É o pior caso que eu já vi e que acontece num país que está a sofrer por causa da austeridade", sublinha Marc Roche que recorda encontros com elementos do banco português em Londres.

"Fiquei surpreendido porque se tratava de um banco tão grande e eu conheci-os em Londres. Davam a impressão de serem sérios, de serem um grande grupo, bem gerido e sofisticado. Quando os encontrei em Londres eram o exemplo de um bom banco de investimento e depois apareceu o escândalo e, como é evidente, fiquei surpreendido", acrescentou.

O investigador, autor de outras publicações sobre a crise e instituições financeiras, retrata no livro "Banksters" a atual situação dos bancos e o papel dos banqueiros lamentando não se ter verificado qualquer consequência depois da crise de 2008.

"Todos os bancos envolvidos em escândalos não perderam um cêntimo, foram os cidadãos que perderam, que tiveram de salvar os bancos e como troca tiveram austeridade", diz Marc Roche que defende o fim dos paraísos fiscais e a implementação de políticas de regulação efetivas.

"É importante voltarmos à regulação, talvez mesmo a uma nova regulação, caso contrário corremos o risco de enfrentarmos uma nova crise financeira. Há demasiados perigos: os bancos 'demasiado grandes para falhar' não têm dinheiro para se salvarem e obrigam à intervenção dos Estado sobretudo em pequenos países", diz.

Indiretamente, afirma, os bancos causaram austeridade na Grécia, Portugal, Espanha e Reino Unido porque," devido a maus procedimentos", obrigaram os Estados a terem de os ajudar e isso criou um "enorme défice".

O sistema bancário, tal como se encontra, "é uma bomba relógio" porque o regulador não está focado sendo que os bancos desempenham, atualmente, um papel politico demasiado "grande".

O autor do livro refere que há políticos que trabalham para bancos e altos quadros da alta finança que ocupam presentemente cargos de Estado, além de governantes que, como o primeiro-ministro Passo Coelho, impõem cortes ao país, apesar de não darem "o exemplo moral" no que diz respeito ao pagamento de impostos.

"É lamentável e ainda por cima, ao mesmo tempo, em que pedem aos funcionários públicos para aguentarem cortes de salários e cortes de pensões. Por isso, os ricos têm de pagar impostos. É um dever moral. Os políticos têm de pagar impostos. Não podem pedir às pessoas para aguentar sem dar o exemplo", disse referindo-se às notícias sobre as alegadas irregularidades fiscais de Pedro Passos Coelho.

Apesar de encarar o novo governo de Atenas como "resistência" afirma que o "grande perigo" para a Grécia é a União Europeia e a Alemanha porque não entendem que os gregos têm de sair da austeridade.

"O que temos na Grécia é uma revolta contra a austeridade, e o mesmo encontramos em Espanha, Portugal, Irlanda e até no Reino Unido. Em todos os países a pessoas começam a revoltar-se contra a austeridade porque não funciona, alerta o investigador autor do livro "O Banco - como o Goldman Sachs dirige o mundo" (2012).