Economia

O mercado não é tolerante com as empresas que erram

O mercado não é tolerante com as empresas que erram

Guilherme Freire Falcão de Oliveira, reitor da Universidade Portucalense, quis homenagear o valor e a coragem dos empresários que decidem arriscar na abertura da conferencia "O Norte faz bem".

Numa plateia constituída por alunos e representantes de quatro casos de excelência de sucesso empresarial do norte do país, o reitor afirmou que "o risco dos empresários é muito grande", mas salienta que existe uma certa banalização da ideia de risco. "Nós sabemos que a vida é arriscada. (...) Que sair de casa é arriscado, e que tomar decisões é arriscado..." mas reitera que "o risco que os empresários correm no dia a dia é muito maior do que o risco banal a que nos habituámos" na vida comum. Prova disso, é talvez a forma injusta como o mercado acaba por lidar com o insucesso de uma empresa. Segundo Guilherme Oliveira, "as más decisões e orientações estratégicas das empresas são penalizadas severamente." E acrescenta : "Enquanto os cidadãos, nos seus contextos sociais, têm sempre uma segunda oportunidade, beneficiam de tolerância e podem corrigir as trajetórias, (...) as empresas morrem e definham mais facilmente porque o mercado não é tolerante e não lhes dá segundas hipóteses."

Por estas razões e perante os interlocutores de empresas bem sucedidas do norte como a Bial, Unilabs Portugal ou Primavera Software, Guilherme Freire Falcão de Oliveira fez questão de deixar uma mensagem muito clara: "As empresas que têm sucesso, têm-no num ambiente de grande severidade, de grande exigência e rigor. E isso é uma coisa digna de registo, não é banal."

Uma homenagem à resistência do empresário

Guilherme Freire Falcão de Oliveira

Reitor da Universidade Portucalense