Os últimos 10 anos no Norte em números

Região deve ser analisada numa lógica nacional

Região deve ser analisada numa lógica nacional

A abordagem ao Norte não deve limitar-se a uma perspetiva regional.

Tenho defendido em outros escritos que a abordagem ao Norte não deve limitar-se a uma perspetiva regional. Os seus problemas não são apenas regionais, mas também nacionais, ponderando a evolução desejável da economia portuguesa para trajetórias mais sólidas de desenvolvimento económico. Assim, na década e meia em análise, temos reflexos na Região da anemia de crescimento dos anos 2000, dos efeitos do ajustamento determinado pelo resgate da economia portuguesa e uma aparente boa saída da crise, a que é necessário dar maior fôlego.

Dos dados disponíveis destacaria três traços fundamentais.

PUB

Primeiro, a aglomeração metropolitana do Porto fica aquém do contributo esperado para uma convergência mais acelerada com a União Europeia e o país, atendendo sobretudo ao potencial de infraestruturas e de recursos de conhecimento para a competitividade que nela se concentram.

Segundo, a sub-região do Alto Minho constitui uma surpresa positiva de evolução, sendo apelativo começar a pensar na combinação entre mais-valias ambientais e base produtiva que está a permitir sustentar a sua posição relativa. Cávado e Ave continuam a mostrar que a internacionalização da Região não pode ficar limitada à sua aglomeração metropolitana.

Terceiro, apesar da espantosa evolução que a economia do vinho está a proporcionar ao Douro, com futuras ligações frutuosas ao enoturismo, essa evolução tarda em produzir resultados mais convincentes em termos de rendimento per capita.

Os últimos 10 anos no Norte em números

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG