Viagens

EasyJet pede que Governo e SEF cheguem a consenso para não afetar passageiros 

EasyJet pede que Governo e SEF cheguem a consenso para não afetar passageiros 

O diretor-geral da easyJet Portugal, José Lopes, apelou, esta terça-feira, para que o Governo e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) cheguem a um consenso, para que a operação no verão e os passageiros não sejam afetados.

"Quando temos a decorrer uma guerra social entre duas entidades [Governo e SEF] é mais difícil de prever em que momento vai haver impacto na operação", defendeu o responsável para Portugal da companhia aérea britânica, em conferência de imprensa, que destacou a questão do controlo de fronteiras nos aeroportos portugueses como "o grande problema para este verão".

"O nosso apelo é que ambas as partes cheguem a um consenso e resolvam o seu problema sem afetar os passageiros", acrescentou José Lopes.

Em 12 de junho, a ANA Aeroportos adiantou que tempos de espera na área das chegadas do aeroporto de Lisboa ultrapassaram as três horas nesse dia, devido à "insuficiência de recursos e de postos de controlo de fronteira SEF em funcionamento".

Recentemente foram implementadas várias medidas imediatas, entre as quais o reforço do aeroporto de Lisboa com 25 inspetores do SEF - 55 no total em todos os aeroportos -, que se mantêm em funções até ao final da vigência do plano de contingência implementado pelo Ministério da Administração Interna, e que contarão com reforços pontuais, através do recurso às escalas de prevenção e aos elementos a destacar pela Frontex.

Face ao recente anúncio de que a easyJet vai reduzir a capacidade de transporte este verão, devido à grande escassez de funcionários no setor da aviação e para a evitar o caos que se tem verificado nas últimas semanas nos aeroportos, José Lopes adiantou que, até ao momento, o impacto esperado em Portugal implica apenas o cancelamento de oito voos, até ao final do verão.

PUB

José Lopes explicou que se trata de um problema "exógeno", que resulta da falta de trabalhadores que prestam assistência em aeroportos e que afetará de forma mais expressiva os aeroportos de Londres Gatwick e Amesterdão, onde a capacidade para o verão foi reduzida e levou, consequentemente, a uma série de cancelamentos adicionais.

O responsável antecipou "um verão difícil" nos aeroportos e garantiu que estão a ser levadas a cabo conversações com todos os intervenientes, por toda a Europa, para fazer face ao problema.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG