Alemanha

"Europa está em chamas e Merkel anda a apagar o fogo com gasolina"

"Europa está em chamas e Merkel anda a apagar o fogo com gasolina"

O ex-ministro dos negócios estrangeiros alemão Joschka Fischer afirmou, esta segunda-feira, num artigo publicado no jornal "Sueddetusche Zeitung", que a Europa "está em chamas, mas a chanceler Angela Merkel anda a tentar apagar o fogo com gasolina".

Na opinião de Joschka Fischer, a Europa "está à beira do abismo e cairá nele nos próximos meses, e só poderá mudar de rumo se Berlim e Paris chegarem a acordo sobre uma união fiscal".

O político ambientalista entende por união fiscal a compra ilimitada de dívida pública de países da moeda única pelo Banco Central Europeu e a mutualização das respetivas dívidas, através da emissão de "eurobonds".

No artigo para o jornal de Munique, o ex-chefe da diplomacia alemã diz ainda que os tempos que correm "são graves, muito graves", e exorta a coligação de centro direita liderada por Merkel a alterar a sua política europeia.

O porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert, reagiu às posições de Fischer afirmando que a ação do executivo "não tem por objetivo destruir a Europa. O governo federal dá um grande conjtributo para o desenvolvimento da Europa, na crise atual".

Alemanha "em contra-mão"

No artigo no "Sueddetusche Zeitung", Joschka Fischer defende que "a estratégia de austeridade de Merkel só agrava a crise financeira e conduz à depressão", lembrando que a mesma estratégia também não serviu para suplantar a grande crise económica mundial de 1929.

PUB

O político ambientalista refere ainda que, "se a Grécia se afundar no caos, haverá uma corrida aos bancos em Espanha, na Itália e em França que desencadeará uma avalancha capaz de soterrar a Europa".

Para o ex-ministro dos negócios estrangeiros do governo de social democratas e ambientalistas, entre 1998 e 2005, só a Alemanha pode garantir a sobrevivência da zona euro, e com o seu potencial económico deve financiar programas de crescimento. Para isso, "vale a pena contrair mais dívidas", sublinhou.

Fischer escreve ainda que "nunca a Alemanha esteve tão isolada" e que "ninguém percebe a política dogmática" de Merkel.

"Na Europa acham que somos um condutor em contra-mão", afirmou o ex-MNE alemão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG