Setembro

Exportações aumentam 6,6% e importações sobem 1,9%

Exportações aumentam 6,6% e importações sobem 1,9%

As exportações aumentaram 6,6% e as importações subiram 1,9% em setembro deste ano face ao mesmo mês de 2015, tendo o défice da balança comercial recuado 172 milhões, para 921 milhões de euros.

De acordo com os dados relativos ao comércio internacional de Portugal divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), no terceiro trimestre de 2016 as exportações de bens cresceram 1,8% e as importações aumentaram 0,8%, em termos homólogos (-1,1% e -0,1%, respetivamente, no trimestre terminado em agosto de 2016).

Em agosto, as exportações e as importações de bens tinham registado subidas homólogas de 5,1% e de 9,8%, respetivamente.

Só em setembro, face ao mesmo mês de 2015, excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações aumentaram 7,8% e as importações subiram 3,6% (respetivamente +7,2% e +13,1% em agosto de 2016).

Segundo o INE, o défice da balança comercial de bens recuou 172 milhões de euros em setembro de 2016, face ao mesmo mês de 2015, para 921 milhões de euros, sendo que, excluindo os combustíveis e lubrificantes, o saldo da balança comercial foi negativo em 616 milhões de euros, o que corresponde a um desagravamento do défice de 136 milhões de euros.

O aumento de 6,6% das exportações em agosto, em termos das variações homólogas mensais, traduziu sobretudo o comportamento das vendas intra-União Europeia (UE), que subiram 7,9%, depois de em agosto já terem progredido 10,8%.

PUB

Quanto às importações, aumentaram 1,9% em setembro (+9,8% em agosto) refletindo o aumento de 3,7% registado no comércio intra-UE (+8,4% em agosto), dado que as importações originárias dos países extra-UE diminuíram 3,6% (+13,7% em agosto).

Considerando o comércio internacional sem a rubrica dos combustíveis e lubrificantes, em setembro as exportações aumentaram 7,8% e as importações cresceram 3,6% face ao período homólogo, depois de no mês anterior terem subido 7,2% e 13,1%, respetivamente.

A este propósito, o INE salienta que, "a evolução das exportações em setembro beneficiou do crescimento elevado das exportações de material de transporte, devido fundamentalmente à exportação de aviões militares para a Roménia".

Numa análise da evolução do comércio internacional em setembro face ao mês anterior, verifica-se que as exportações cresceram 26,5%, "principalmente em consequência da evolução do comércio intra-UE", e que as importações subiram 14,8%, "em resultado da evolução das importações intra-EU, já que no comércio extra-UE se registou uma redução".

Por categorias económicas, em setembro de 2016 todas registaram aumentos face ao mesmo mês de 2015, exceto os combustíveis e lubrificantes (-10,1%).

Os maiores aumentos verificaram-se nos bens de consumo (+15,5%), produtos alimentares e bebidas (+12,3%) e máquinas e outros bens de capital (+10,8%), sendo também de destacar em setembro o "crescimento anormalmente elevado" da categoria outro material de transporte (+79,8%), fundamentalmente atribuído pelo INE à já referida exportação de aviões militares para a Roménia.

Nas importações, em setembro face ao mesmo mês de 2015, o INE destaca os acréscimos verificados nas máquinas e outros bens de capital e nos produtos alimentares e bebidas (10,5% e 9,4% respetivamente), enquanto as importações de combustíveis e lubrificantes diminuíram 10,3%.

Entre os principais países de destino em 2015 verifica-se que "Espanha foi claramente o que mais contribuiu para o aumento global das exportações em setembro de 2016", com as vendas a registarem uma subida homóloga de 13,4%.

Neste mês, as exportações para Angola "continuaram a diminuir, embora em menor dimensão" (-12,4% face a -30,6% em agosto de 2016), mas, contrariamente ao verificado no mês anterior, as exportações para os EUA cresceram 14,4% (-25,9% em agosto de 2016).

Já nas importações, entre os maiores países fornecedores em 2015, Alemanha, Espanha e Reino Unido foram os que mais contribuíram para o acréscimo global verificado em setembro.

De evidenciar ainda, segundo o INE, que as importações originárias de Angola, "após o aumento verificado no mês anterior, voltaram a diminuir significativamente (-47,2%).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG