Exclusivo

Fiscalização manda corrigir contratos ilegais nas cantinas escolares

Fiscalização manda corrigir contratos ilegais nas cantinas escolares

Governo pediu investigação à Autoridade para as Condições do Trabalho. Despedidos 250 trabalhadores desde o fecho das escolas.

A Autoridade para as Condições no Trabalho (ACT) advertiu a empresa Uniself, que gere cerca de 300 cantinas escolares, a corrigir contratos e relações de trabalho sob pena de ser multada. A ação inspetiva, que continua em curso, foi iniciada após pedido da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, que remeteu à ACT a denúncia do Bloco de Esquerda. Desde o encerramento das escolas a 22 de janeiro, as empresas concessionárias de refeitórios escolares já despediram 250 trabalhadores, denuncia o Sindicato dos Trabalhadores de Indústrias de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte, ao JN.

A decisão é rara e Francisco Figueiredo, presidente daquele sindicato, lamenta não ter recebido da ACT nenhuma resposta às queixas feitas, no início do ano letivo, não só relativamente à Uniself mas também contra a Eurest, ICA e Sotratel que firmaram contratos a termo incerto com cláusulas que a ACT mandou agora corrigir.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG