PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Resgate financeiro

FMI diz que Portugal precisa de mais 10 a 15 anos para recuperar

FMI diz que Portugal precisa de mais 10 a 15 anos para recuperar

O chefe da missão do Fundo Monetário Internacional para Portugal, Subir Lall, considera que a saída da troika não se traduz no fim do ajustamento e avisa que a economia portuguesa precisa entre dez a 15 anos para recuperar.

Em entrevista ao jornal britânico "Financial Times", divulgada esta quinta-feira, Subir Lall adverte que "as distorções na economia foram construídas ao longo de décadas e é irrealista pensar que podem ser removidas em três anos de programa de ajustamento ou que o processo de reforma possa ser imposto do exterior".

Ao contrário das declarações proferidas recentemente pelo vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, que parece ter inaugurado um relógio de contagem decrescente para a saída da troika, de acordo com o mesmo jornal, o chefe de missão do FMI para Portugal traça um cenário menos otimista em relação à recuperação económica.

"As transformações de que a economia precisa terão de continuar nos próximos dez a 15 anos e terão de ser construídas internamente", afirma Subir Lall.

Dirigindo-se aos partidos políticos, o responsável da troika acentua que "mudar a forma como a economia responde e ultrapassar a inércia requer um esforço continuado e terá de ser feito, independentemente de qual o partido político que estiver no poder".

Nos próximos anos, Portugal terá de ultrapassar os "desafios enraizados", nomeadamente, a alavancagem bancária, os elevados custos dos portos e da energia, a ineficiência do serviço público, a lentidão do sistema judicial e a pouca flexibilidade do mercado de trabalho.

Apesar dos desafios que o país terá de enfrentar, Subir Lall classifica de "assombroso" o ajustamento orçamental já alcançado, antecipando que a consolidação que será feita em 2014 e 2015 será "mais gentil".

No entanto, a economia terá de crescer a longo prazo, um objetivo que só será alcançado redirecionando-a do setor transacionável para o não transacionável, diz o responsável.

Subir Lall, refere ainda o "Financial Times", escusa-se a falar sobre a possibilidade de Portugal ter de aceder a um programa cautelar após a saída da troika - composta pelo FMI, Banco Central Europeu e Comissão Europeia -, dizendo que no início do próximo ano, quando o Tesouro avançar com emissões de longo prazo, será "uma boa altura para ver o que dizem os investidores".

"Governo será capaz de tapar o buraco"

As declarações do chefe da missão do FMI surgem no dia em que o Tribunal Constitucional poderá anunciar a decisão sobre o regime de convergência das pensões, o que poderá obrigar o Governo a encontrar alternativas em caso de chumbo.

Questionado sobre esta possibilidade, Subir Lall disse estar confiante na capacidade do Governo em ultrapassar este obstáculo, caso o chumbo se verifique.

"De um ponto de vista orçamental, estou muito confiante de que o Governo será capaz de tapar o buraco", disse ainda, alertando no entanto que "há sempre o risco de que [as alternativas] sejam menos favoráveis em termos de promoção do crescimento económico e do emprego".