Economia

Fusão entre Ibéria e British Airways

Fusão entre Ibéria e British Airways

A Ibéria e a British Airways anunciaram, hoje, um acordo vinculativo que concretiza o projecto de fusão das duas companhias aéreas que deverá estar concluído no final de 2010, segundo um comunicado conjunto.

A fusão, que se estima poderá gerar sinergias de 400 milhões de euros, foi aprovada separadamente pelos Conselhos de Administração das duas empresas que acordaram, entre outros aspectos, manter o princípio de paridade nos órgãos de gestão da futura empresa.

Mediante este acordo, os accionistas da British Airways manterão 55 por cento do capital da nova empresa, cabendo aos accionistas da Ibéria o controlo dos restantes 45 por cento.

O memorando de entendimento hoje assinado estabelece um novo grupo aéreo que se denominará TopCo, ainda que as duas empresas mantenham as respectivas marcas e operações, potenciando os dois 'hubs' operativos, Madrid e Londres.

Prevê ainda um reforço da presença nos mercados internacionais de longo curso.

Antecipa-se que o acordo seja apresentado às respectivas juntas de accionistas no início de Novembro de 2010, com a operação a executar-se um mês depois.

Segundo o memorando de entendimento, a companhia espanhola terá direito a rever o compromisso se o acordo final entre a British Airways e os administradores dos seus fundos de pensões -- que têm um défice de 3.000 milhões de euros -- não for "razoavelmente satisfatório" para a Ibéria.

Determina além disso uma penalização de 20 milhões de euros para determinados casos de ruptura do acordo.

Os accionistas da British Airways receberão um título ordinário da TopCo por cada título que detenham da companhia britânica e os da Ibéria receberão 1,0205 acções ordinárias da nova 'holding' por cada título da espanhola.

António Vazquez, actual presidente da Ibéria, presidirá ao novo grupo, tendo como vice-presidente Martin Broughton, sendo que Willi Walsh, actual conselheiro delegado da British Airways, manterá essas funções na TopCo.

O novo grupo contará com uma frota de 419 aviões, voando para, pelo menos, 205 destinos.

No ano passado, as duas empresas transportaram 62 milhões de passageiros, com receitas conjuntas de 15 mil milhões de euros.

Para Vazquez o acordo culmina "um longo processo" que "constitui um passo de gigante na história da Ibeira e da British Airways", permitindo o nascimento de uma "verdadeira companhia aérea global".

Pat Walsh, por seu lado, considerou que "a fusão criará uma companhia aérea europeia forte e capaz de competir no século XXI"