Crise Financeira

G7 cria medidas para impedir que contribuintes paguem por bancos falidos

G7 cria medidas para impedir que contribuintes paguem por bancos falidos

O ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, disse este sábado que os responsáveis financeiros dos sete países mais ricos concordaram avançar com medidas para impedir que sejam os contribuintes a suportar a eventual falência de grandes bancos.

"É importante completar rapidamente o nosso trabalho de garantir que nenhum banco é demasiado grande para falir", disse o governante durante uma conferência de imprensa num intervalo das reuniões do G7, composto pelos ministros das Finanças dos Estados Unidos da América, Alemanha, Canadá, França, Itália e Japão, juntamente com os governadores dos bancos centrais e a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

"Temos de pôr as regras em ordem para lidar com os bancos falidos e para proteger os contribuintes e para o fazer de uma forma consistente e global", acrescentou George Osborne.

O governante garantia assim que a solução encontrada para lidar com os bancos de Chipre - chamar os contribuintes mais abastados a pagar uma parte do custo do resgate internacional - não vai ser repetida e que nenhum banco é demasiado grande para falir, o que elimina uma das principais razões para a intervenção dos Estados no princípio da crise financeira.

Numa resposta à divergência entre os europeus e os norte-americanos relativamente à primazia da consolidação orçamental ou do crescimento económico na saída da crise financeira, Osborne disse que o desentendimento é menor do que aquele que é noticiado.

"Toda a gente tem a noção que é preciso haver uma consolidação orçamental credível a médio prazo", disse, sublinhando, ainda assim, que os responsáveis também "concordaram que é preciso haver flexibilidade", afirma.

"Estamos, claro, a reunir-nos num momento em que o sentimento dos mercados financeiros melhorou e isso materializa-se numa melhoria das previsões económicas nalgumas das nossas economias", afirmou Osborne, reconhecendo que "todos concordámos que as perspetivas de crescimento mantêm-se desiguais e que não podemos tomar a retoma como garantida".

Outras Notícias