Vandalismo

Gastos da CP a limpar grafítis davam para comprar comboio novo

Gastos da CP a limpar grafítis davam para comprar comboio novo

Limpeza dos desenhos custou 3,4 milhões de euros entre 2008 e 2019.

A limpeza dos grafítis custou à CP nada menos de 3,4 milhões entre 2008 e 2019, despesa que permitiria à empresa comprar um comboio novo.

Só entre 2010 e abril deste ano registaram-se mais de 12 mil atos de vandalismo. A companhia exige ao Estado mais dinheiro para garantir a limpeza de toda a frota.

"O grafíti do material circulante é um ato de vandalismo", refere fonte oficial da CP ao JN/DV. O impacto destas pinturas não é meramente estético.

Em média, limpar cada metro quadrado pintado custa 7,35 euros aos contribuintes. Por ano, a CP gasta entre 250 mil e 300 mil euros neste processo. As pinturas são feitas sobretudo nas linhas urbanas de Lisboa e do Porto e também nas linhas regionais do Vouga, Oeste e Algarve.

Já neste ano, a empresa reforçou as operações de limpeza: criou equipas permanentes para remover grafítis em Sernada do Vouga e em Vila Real de Santo António; no serviço urbano de Lisboa, tem operações nas oficinas de Carcavelos e do Algueirão.

Este esforço custou 158 mil euros nos primeiros quatro meses deste ano e permitiu a remoção de cerca de 19 mil metros quadrados de pinturas.

PUB

vandalismo de milhões

A CP, no entanto, só tem autorização do Estado para gastar 250 mil euros por ano, até 2021, na remoção de grafítis.

Com este orçamento, apenas 30% dos desenhos são limpos. "Face à proliferação destas atividades ilícitas, a verba disponível é claramente insuficiente", reconhece a companhia.

Para deixar o material como novo, a empresa teria de investir mais de um milhão de euros por ano na limpeza de toda a frota e ainda gastar dois milhões na pintura, substituição de vidros e de bancos e operações de manobras de material. A reparação implicaria também a retirada temporária do serviço das unidades a cuidar, com um custo adicional de 800 mil euros.

Tudo somado, "estes atos de vandalismo provocam anualmente prejuízos entre três e quatro milhões de euros. Ou seja, o equivalente a comprar um comboio urbano novo todos os anos".

Os autores dos grafítis nos comboios são conhecidos como "writers"e desenham uma assinatura com letras que correspondem ao seu pseudónimo e que se repetem em todos os locais que são pintados.

Limpeza por m2

Os contribuintes pagam 7,35 euros por cada metro quadrado que tem de ser limpo de grafítis. Por ano, a CP gasta entre 250 mil e 300 mil euros neste processo, que decorre nas oficinas de Norte a Sul do país.

Quatro milhões de euros

A reparação de todos os atos de vandalismo nos comboios implicaria um custo anual entre três e quatro milhões de euros por ano. Verba que daria para comprar um comboio urbano todos os anos, calcula a empresa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG