Tap

Governo faz apelo a trabalhadores da TAP

Governo faz apelo a trabalhadores da TAP

O Governo lançou, esta quinta-feira, um apelo a trabalhadores e agentes económicos para que ajudem a que 2015 seja positivo para a TAP, uma vez que o bom desempenho económico e financeiro pode elevar o valor a pagar pelo comprador.

"A performance de 2015 é muito importante para dez milhões de portugueses, porque beneficiarão no futuro de um maior valor na opção de venda e de compra [dos restantes 34% do capital e de uma eventual partilha de benefício se houver uma operação em bolsa", afirmou o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro.

Em conferência de imprensa, o governante deixou mesmo um apelo a "todos", sobretudo agentes económicos e trabalhadores, para que "ajudem a que 2015, um ano que começou com alguma turbulência, possa ser um ano de performance económica e financeira positiva para que os portugueses possam beneficiar".

A venda da TAP ao consórcio Gateway permite a entrada de "no mínimo" 354 milhões de euros, valor que, consoante o desempenho da transportadora, pode chegar aos 488 milhões de euros, revelou o Governo.

O Governo decidiu vender o grupo TAP, dono da transportadora aérea nacional, ao consórcio Gateway, do empresário norte-americano e brasileiro David Neeleman e do empresário português Humberto Pedrosa, rejeitando pela segunda vez a proposta de Germán Efromovich.

De acordo com o Governo, a proposta da Gateway era a melhor proposta no que respeita à contribuição para o reforço da capacidade económico-financeira do grupo TAP, ao projeto estratégico e ao valor global apresentado para a aquisição de ações, critérios de avaliação previstos no caderno de encargos.

Aos jornalistas, Sérgio Monteiro adiantou que a proposta vencedora prevê uma oferta pública de ações em bolsa, que terá benefícios para o Estado se realizada até quatro anos após a venda da primeira fase, de 66% do capital.

PUB

Questionado sobre os postos de trabalho -- o grupo emprega mais de 10 mil pessoas -, Sérgio Monteiro realçou que "são assumidos compromissos inequívocos de estabilidade laboral nos mesmos termos em que a TAP tem esses compromissos com os seus trabalhadores".

"Esses acordos são assumidos explicitamente pelo comprador e o seu incumprimento dá direito a multas diárias, à reversão das opções de compra e de venda e no limite à reversão do negócio, a ser decidida pelo Estado", declarou.

Sérgio Monteiro realçou que as duas propostas -- a vencedora e a de Germán Efromovich -assumiam o compromisso de cumprimento dos acordos laborais, o que leva a pensar que "a estabilidade laboral é um bem em si mesmo e será preservado".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG