Desemprego

Governo quer dar emprego a mais três mil desempregados por mês

Governo quer dar emprego a mais três mil desempregados por mês

O Governo quer aumentar em 50% o número de colocações de trabalhadores desempregados até 2013, ou seja, dar trabalho a mais três mil pessoas por mês, segundo uma resolução aprovada, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros.

O Programa de Relançamento do Serviço Público de Emprego inclui oito eixos e um conjunto de medidas que visam fomentar a captação de ofertas de emprego, cooperar com parceiros para a colocação de desempregados, reestruturar a rede de Centros de Emprego e Centros de Formação Profissional, entre outras.

O ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, que apresentou o programa, sublinhou que o diploma aprovado, esta quinta-feira, visa "promover um acompanhamento mais próximo e mais regular do desempregado" e melhorar o desempenho do serviço público de emprego, "nomeadamente no que diz respeito à oferta e procura de emprego", incluindo alterações no funcionamento dos centros de emprego.

O diploma visa também, segundo Álvaro Santos Pereira, "a modernização do sistema de informação dos centros de emprego, o que irá facilitar a colocação de ofertas no portal 'netemprego' e permitirá a criação de um registo eletrónico público de todas as ofertas de emprego captadas pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP)".

Gestor de carreira

Os desempregados inscritos nos centros de emprego vão ter um gestor de carreira para facilitar o regresso ao mercado de trabalho. A medida visa "permitir um acompanhamento contínuo dos desempregados pelo mesmo técnico, assegurando um conhecimento mais próximo das qualificações de cada um", facilitando a sua colocação e evitando novas dificuldades sempre que se desloca a um centro de emprego, explicou o ministro da Economia.

Álvaro Santos Pereira adiantou ainda que a rede de centros de emprego vai ser reestruturada e sujeita a fusões para se tornar "mais ágil" e que vão ser reduzidos cerca de 150 dirigentes, "que vão passar a desempenhar tarefas técnicas de apoio direto a desempregados".

Esta "racionalização" deverá permitir poupanças superiores a um milhão de euros, acrescentou.

O secretário de Estado do Emprego, Pedro Martins, frisou que estes dirigentes vão assegurar um acompanhamento mais proximo dos desempregados como gestores de carreira. "Os responsáveis dos váris centros cujas posições serão eliminadas no decurso desta reestruturação poderão ter um contacto mais próximo com os desempregados através desta figura de gestor da carreira", disse.

Álvaro Santos Pereira ressalvou que as alterações apresentadas contam com a participação ativa dos empresários e dos sindicatos e foram consagradas no pacto assinado com os parceiros sociais.