Alemanha

Grécia, Espanha e Alemanha com previsões mais pessimistas

Grécia, Espanha e Alemanha com previsões mais pessimistas

Bruxelas agrava ligeiramente recessão grega em 2013, é mais pessimista que o Governo espanhol, prevendo o agravamento do défice e do desemprego e estima que a economia alemã deverá crescer 0,5%, menos 0,3% do que o esperado nas previsões de outono.

A Comissão Europeia (CE) aponta para uma contração de 4,4% Produto Interno Bruto (PIB) da Grécia, um agravamento de duas décimas em relação às previsões de outono, divulgadas em novembro de 2012.

Bruxelas ressalva, no entanto, que o otimismo para 2014, com um crescimento previsto de 0,6% do PIB, depende das reformas do mercado de trabalho, com reduções dos custos, e da liberalização do mercado de produtos, que acarretarão "novas oportunidades de negócio".

Em relação à dívida pública grega, as previsões indicam um recuo em 2012 em relação às estimativas de outono, de 176,7% do PIB para 161,6%, aumentando para 175,6% este ano e contraindo ligeiramente em 2014, para os 175,2% do PIB grego.

A taxa de desemprego deverá subir, em 2013, para os 27% (24,7% em 2012), e recuar para os 25,7% em 2014, indicadores agravados em relação às previsões de outono, quando a taxa prevista para 2013 era de 23,6% e para 2014 de 24%.

Espanha

Bruxelas agravou as previsões sobre o défice das contas públicas e o desemprego em Espanha mantendo previsões mais pessimistas que o Governo também no que toca ao crescimento económico, este ano e em 2014.

A economia espanhola deverá contrair este ano 1,4%, uma recessão quase três vezes mais profunda que a antecipada pelo Governo (que prevê uma queda de 0,5% do PIB). Também para 2014 as previsões europeias, de um crescimento de 0,8% do PIB, são mais pessimistas do que as do Governo, que prevê um crescimento de 1,2%.

As piores notícias surgem, no entanto, no capítulo do défice das contas públicas espanholas que Bruxelas antecipa será, no final deste ano, de 6,7%, um agravamento das previsões feitas em janeiro (6,1%).

A situação piora ainda mais em 2014 com a Comissão Europeia a antecipar que Espanha terminará o ano com um défice público de 7,2%, acima dos 6,4% que previa anteriormente.

Também no capítulo do desemprego o cenário é negro, com a taxa a atingir os 26,9% este ano, antes de cair, apenas ligeiramente, para os 26,6% em 2014.

Alemanha

A Alemanha deverá terminar 2013 com um défice orçamental de 0,2%, face aos 2,1% de excedente registado no ano passado. Bruxelas prevê contudo "uma recuperação gradual", depois de um "abrandamento temporário" e prevê para 2014 uma estabilização nos 0%.

A economia alemã deverá crescer 0,5% em 2013, menos 0,3 pontos percentuais do que o esperado nas previsões de outono, após uma desaceleração do crescimento no final de 2012.

A Comissão Europeia (CE) prevê que o sólido mercado de trabalho e a forte competitividade, associada a uma melhoria do ambiente externo, "devem permitir a recuperação da atividade económica durante este ano". Desta forma, para 2014 as previsões apontam para um crescimento do PIB de 2%.

A taxa de desemprego deverá subir de 5,5% no ano passado para 5,7% este ano e em 2014, a CE estima uma ligeira redução para 5,6%.

Outras Notícias