Grécia

Gregos adiam decisão para terça-feira e Merkel diz que "sem acordo não há ajuda"

Gregos adiam decisão para terça-feira e Merkel diz que "sem acordo não há ajuda"

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse, esta segunda-feira, em Paris, que sem "acordo sobre a dívida externa grega não há mais ajuda". Os partidos gregos estão reunidos para avaliar a proposta europeia, que exige cortes de 15 a 20% nos salários e reformas para conceder mais 130 mil milhões de euros. Partidos helénicos adiaram decisão para terça-feira.

As negociações entre os partidos da coligação governamental sobre as novas medidas de austeridade foram adiadas para terça-feira, informou o gabinete do primeiro-ministro grego, citado pela agência Associated Press.

Os três partidos que compõe a coligação governamental grega e que deveriam, até às 14 horas locais (12 em Portugal continental) comunicar uma decisão sobre as medidas de austeridade a aplicar para que seja concedida nova ajuda financeira ao país.

Pouco depois de terminar o prazo, a chanceler alemã Angela Merkel referiu-se à situação na Grécia à margem de um encontro com o presidente da França, Nicolas Sarkozy, em Paris.

Merkel assinalou que o "tempo urge" e pediu que "se actue rapidamente" porque a situação actual provocada pelo atraso na aplicação das reformas na Grécia pode dar origem a um "desafio considerável".

"A situação da Grécia tem de solucionar-se de uma vez por todas", disse Sarkozy no final do conselho de ministros franco-alemão, esta segunda-feira em Paris.

A Grécia deve "assumir as suas responsabilidades" e criar um fundo especial para o pagamento dos juros da dívida, acrescentaram o Presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã.

"Os gregos assumiram compromissos, devem respeitá-los escrupulosamente. Não há escolha, o tempo urge, é uma questão de dias", afirmou Sarkozy numa conferência de imprensa em Paris, citado pela agência noticiosa France Presse.

Os dois estadistas sugeriram também que a verba para pagar os juros da dívida grega "seja bloqueada" numa conta especial, de forma a garantir que a Grécia continua a assegurar o pagamento das obrigações.

"Sou a favor da ideia de passar os juros da dívida grega para uma conta bloqueada, para garantir que esse dinheiro estará disponível", afirmou Merkel.

Os dois líderes frisaram que os dirigentes gregos devem chegar a um acordo quanto a reformas e medidas de austeridade. Caso contrário, a Grécia não pode contar com mais ajuda financeira externa.

Entretanto, as duas centrais sindicais gregas convocaram para terça-feira uma greve geral de 24 horas e uma marcha de protesto em Atenas.

Outras Notícias