greve

Instituto Portuário diz que greve "não causa grande impacto na economia"

Instituto Portuário diz que greve "não causa grande impacto na economia"

A greve dos pilotos de barra e dos trabalhadores de tráfego não está a causar grande impacto na economia portuguesa, segundo o presidente do Instituto Portuário e do Transporte Marítimo.

O dirigente do sindicato Oficiaismar, Carlos Coutinho, indicou ao início da manhã que os portos portugueses estão totalmente paralisados desde as 00.00 horas.

Contudo, João Carvalho, presidente do Instituto Portuário e do Transporte Marítimo (IPTM), considera que a greve tem pouco impacto na economia portuguesa: "Em relação aos armadores nacionais não há nenhum impacto. Em relação aos armadores estrangeiros, o impacto que há não é relevante, já que houve atempadamente alterações de escala".

Segundo a mesma fonte, sabendo da greve, agendada entre as 00.00 de hoje e as 24.00 de terça-feira, muitos armadores "decidiram despachar até às 24.00 de domingo e outros só o farão após o fim da paralisação".

De acordo com João Carvalho, esta greve não afeta os armadores nacionais, já que os comandantes portugueses têm certificados de isenção de pilotagem que lhes permitem entrar e sair dos portos sem recorrer aos pilotos de barra.

Referindo que nos portos do Funchal não houve adesão à greve, o presidente do IPTM revelou que esta paralisação obrigou à alteração de escala de três navios de passageiros (cruzeiros). "(A greve) tem algum impacto em termos de taxas portuárias e de turismo. Não tem é aquele impacto na economia nacional que se poderia prever", assinalou.

Outras Notícias