Investimento

Agência DBRS sobe perspetiva do "rating" de Portugal para positiva

Agência DBRS sobe perspetiva do "rating" de Portugal para positiva

A agência de notação financeira DBRS melhorou a perspetiva do "rating" de Portugal de estável para positiva, o que significa que pode subir o "rating", que manteve em "BBB", numa próxima avaliação.

"A perspetiva positiva reflete a visão da DBRS de que os riscos para o 'rating' estão inclinados para o lado positivo", indica a agência de notação financeira canadiana, na sua avaliação à dívida soberana de Portugal, divulgada esta sexta-feira.

A DBRS acrescenta que "o défice orçamental está a aproximar-se lentamente do equilíbrio e o rácio dívida pública/PIB está a descer a um ritmo saudável".

Além disso, "o crédito malparado dos bancos portugueses também está a descer de forma significativa".

A DBRS considera ainda que, apesar do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) estar a abrandar, "prevê-se que o desempenho económico permaneça acima da média da zona euro".

No sentido oposto, a agência alerta que "o elevado rácio da dívida pública em relação ao PIB limita a capacidade orçamental do Governo para gerir choques negativos, e o ainda elevado stock de crédito malparado - particularmente no setor empresarial - pesa sobre a estabilidade financeira".

A DBRS explica que a sua avaliação ao "rating" de Portugal beneficia do facto do país pertencer à zona euro e da sua adesão ao enquadramento europeu de governança, "o que ajuda a promover políticas macroeconómicas confiáveis e sustentáveis".

"Também a suportar o 'rating' está um perfil da dívida pública favorável", frisa a agência, salientando, contudo, que "Portugal enfrenta desafios significativos" ao nível do crédito, incluindo elevados níveis de dívida pública e "um ainda relativamente baixo potencial de crescimento".

A DBRS indica também que pode melhorar a nota que atribui à dívida soberana de Portugal, que hoje confirmou em "BBB", se os excedentes primários sustentados e o crescimento económico estável reduzirem o rácio da dívida pública em linha com as atuais expectativas da agência.

"A continuação do progresso na redução do crédito malparado também seria positiva para o 'rating'", acrescenta a DBRS.

Em sentido contrário, a agência de notação canadiana alerta que, "apesar de menos provável", a perspetiva do "rating" pode voltar para estável "se houver um enfraquecimento substancial nas estimativas de crescimento, na atual trajetória orçamental ou da dívida ou no compromisso político relativamente a políticas macroeconómicas sustentáveis".

Na sua análise, a DBRS indica também que "Portugal beneficia de um sistema político globalmente estável" e salienta que espera um "forte compromisso" em relação às regras europeias, independentemente do resultado das eleições legislativas de outubro em Portugal.

"Independentemente do resultado eleitoral, a DBRS espera que a dinâmica política permaneça amplamente estável", refere a agência.

De acordo com o calendário da atualização dos "ratings" previsto para 2019, a DBRS pode voltar a rever a avaliação de Portugal em 4 de outubro.

Imobusiness