PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Greve dos motoristas

APED defende que serviços mínimos devem incluir distribuidoras

APED defende que serviços mínimos devem incluir distribuidoras

A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição defendeu esta terça-feira que os serviços mínimos na greve dos motoristas devem incluir o transporte de bens alimentares e garantiu estar a trabalhar com o Governo para minimizar os efeitos da paralisação.

A APED entende que "a distribuição de bens alimentares deve ser incluída nos serviços mínimos, caso a greve dos motoristas venha a avançar, tendo já formalizado o pedido junto da Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT)", avançou, em resposta à Lusa, o diretor-geral da associação, Gonçalo Lobo Xavier.

Segundo o responsável, a APED também tem vindo a trabalhar com o Governo e com a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) para que possam ser minimizados os efeitos da "possível" paralisação.

"Do ponto de vista logístico, as empresas do setor têm estado a analisar soluções, embora seja prematuro falar deste tipo de ações numa fase em que importa apelar à tranquilidade junto dos consumidores", notou.

Os sindicatos dos motoristas que entregaram pré-aviso de greve com início em 12 de agosto e a ANTRAM não chegaram a acordo para serviços mínimos.

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) e a ANTRAM estiveram reunidos hoje na Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), para definir os serviços mínimos para a greve de agosto.

No pré-aviso de greve entregue pelos sindicatos, eram propostos serviços mínimos de 25% em todo o país.

Por sua vez, as empresas propunham 70% de serviços mínimos garantidos.

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, assegurou hoje, no Entroncamento, que o Governo está "a trabalhar" na questão da greve dos trabalhadores dos transportes rodoviários e que os serviços mínimos "serão numa dimensão muito satisfatória".

Anteriormente, o ministro tinha defendido que os portugueses devem começar a "abastecer" as suas viaturas para "se precaverem" no caso de haver greve dos motoristas a partir de 12 de agosto.

A ANTRAM defende que a postura "socialmente irresponsável" dos sindicatos dos motoristas justifica "requisição civil preventiva", conforme disse hoje à Lusa o representante da associação dos transportadores, após a falta de acordo nos serviços mínimos para a greve de agosto.

"Se isto não é caso para uma requisição civil preventiva, então não sei o que é", defendeu André Matias de Almeida, classificando a postura dos sindicatos de "socialmente irresponsável".