PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

1934-2019

As reações à morte de Alexandre Soares dos Santos

As reações à morte de Alexandre Soares dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, enalteceu o "relevante papel na vida económica, social e cultural portuguesa" do empresário Alexandre Soares dos Santos, que morreu hoje, aos 84 anos.

O presidente do conselho de administração da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), Jaime Gama, considerou hoje a morte do empresário Alexandre Soares dos Santos como "uma grande perda" para a economia e para o mecenato no país.

Para Jaime Gama, Alexandre Soares dos Santos "era um espírito livre que gostava de apresentar com frontalidade todas as suas ideias e que se manteve até ao fim da vida com uma incansável energia, a refletir não só sobre o horizonte estratégico do seu grupo empresarial como também sobre as questões relevantes do país, da Europa e do mundo".

"Na Fundação Francisco Manuel dos Santos tivemos sempre a sua presença interveniente, o estímulo para trilhar caminhos de independência, julgamento crítico, objetividade e incentivo ao debate de ideias", acrescentou o antigo presidente da Assembleia da República e antigo ministro dos Negócios Estrangeiros.

Jaime Gama destacou ainda que Alexandre Soares dos Santos, "muito para além da sua condição de empresário, era alguém profundamente ligado à reflexão sobre as questões nacionais e ao seu desejo de ver um país moderno, orientado pela lei e sem privilégios de qualquer espécie".

"Com a morte de Alexandre Soares dos Santos, perdeu-se um grande líder empresarial, com um perfil multifacetado e um percurso incontornável na História recente de Portugal. Ao longo dos anos, transformou uma empresa familiar num dos maiores grupos empresariais portugueses, apostando sempre na formação de quadros, nas parcerias empresariais, na inovação e na internacionalização como suportes de uma estratégia de crescimento sustentado", refere o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, em comunicado.