PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

Avaliação de Portugal está um nível acima de "lixo"

Avaliação de Portugal está um nível acima de "lixo"

A Standard and Poor's voltou, esta terça-feira, a descer o "rating" de Portugal.

No segundo corte em menos de uma semana, a agência de "rating" desceu a avaliação de Portugal de BBB/A-2 para BBB-/A-3, notação considerada como o nível acima de "junk" (lixo).

Recorde-se que na sexta-feira, a Standard and Poor's cortou o "rating" do país de A- para BBB/A-2.

A Standard & Poor's justifica este novo corte com as decisões do Conselho Europeu relativas ao mecanismo de resgate europeu que entrará em funcionamento em 2013, para substituir o atual fundo de resgate.

Segundo a agência, as condições impostas aos Estados para que possam pedir empréstimos ao mecanismo confirmam as expetativas da agência de que "a reestruturação da dívida soberana é um potencial pré-requisito para se pedir empréstimos do ESM e que a dívida soberana sénior [detida por investidores privados] será subordinada aos empréstimos do mecanismo".

A agência considera que estas características prejudicam os credores comerciais de dívida soberana e que representam um completo afastamento do atual mecanismo de resgate, o European Financial Stability Facility (EFSF).

Portugal provavelmente irá recorrer a apoio financeiro do fundo de resgate europeu, que deverá continuar com o futuro mecanismo pós 2013, diz ainda a Standard & Poor's.

"Dada a actual redução do acesso de Portugal aos mercados de financiamento e às suas consideráveis necessidades de financiamento externas nos próximos anos, a nossa análise é que Portugal provavelmente irá recorrer ao European Financial Stability Mechanism (o actual fundo de resgate) e consequentemente ao European Stabilisation Mechanism (o fundo de resgate que entra em atividade a partir de 2013), diz a Standard & Poor's.

A agência indica que acredita que Portugal consiga começar inverter a trajectória de dívida a partir de 2013, e que assim possa escapar a uma reestruturação de dívida.

No entanto, a questão da subordinação da dívida aos empréstimos realizados pelo futuro mecanismo levam a agência a aplicar o corte de 'rating'.

Esta subordinação daria ao mecanismo de resgate preferência como credor (ou seja, em caso de reestruturação ou incumprimento, o mecanismo receberia primeiro que os credores comerciais).