PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

Banco central cipriota vai analisar restrições de capital todos os dias

Banco central cipriota vai analisar restrições de capital todos os dias

O banco central de Chipre anunciou esta sexta-feira que vai reexaminar diariamente as medidas de controlo de capitais impostas depois de anunciado o plano de resgate com condições duras para os bancos, no sentido de as "ajustar ou aligeirar".

"Todos os dias vamos tomar nota [da situação] e vamos ver como ajustar ou aligeirar estes controlos, tendo como maior objetivo salvaguardar e estabilizar o sistema financeiro de Chipre", referiu o Banco Central, em comunicado.

"Ainda que estas medidas de controlo de capitais sejam difíceis para todos nós, a promessa de um ambiente económico melhor pode ser realizada se trabalharmos em conjunto e compreendermos a necessidade destas medidas", acrescenta a nota.

Entretanto, o banco central cipriota disse também que levantou todas as restrições às transações efetuadas por cartão bancário, tanto de crédito como de débito.

Chipre impôs medidas sem precedentes na zona euro sobre os movimentos bancários para evitar uma fuga de capitais quando os bancos reabriram, na quinta-feira, depois de 12 dias encerrados.

Estas restrições preveem a limitação dos levantamentos em espécie, tendo sido fixado um máximo de 300 euros por dia, por pessoa e por banco.

Os pagamentos e as transferências para o estrangeiro não podem ultrapassar os 5.000 euros por mês e os viajantes que deixarem a ilha não podem levantar mais do que 1.000 euros em dinheiro.

Em contrapartida por uma ajuda de 10.000 milhões euros concedida pela 'troika' (composta pelo Fundo Monetário Internacional, pela Comissão Europeia e pelo Banco Central Europeu), Chipre comprometeu-se, num acordo alcançado na segunda-feira, a encontrar poupanças de 7.000 milhões de euros.

O plano prevê ainda a liquidação do Banco Popular, o segundo maior banco da ilha, e uma taxa de 40% sobre as quantias acima dos 100.000 euros no caso dos depósitos do Banco do Chipre, a maior instituição financeira do país.