Economia

BASF vende químico cancerígeno

BASF vende químico cancerígeno

Substância contaminada exportada para 50 clientes na Europa, Médio Oriente e África.

A empresa alemã BASF, líder mundial na área química, vendeu lupranat contaminado com um composto cancerígeno a 50 clientes na Europa, no Médio Oriente e em África. Lupranat é usado no fabrico de espuma para mobiliário (como sofás e colchões) e para componentes da indústria automóvel (como estofos e volantes). Desconhece-se, no entanto, se o químico contaminado foi vendido para clientes em Portugal.

Os lotes com uma contaminação severa e com níveis anormalmente altos de Diclorobenzeno foram produzidos na fábrica de Ludwigshafen, na Alemanha, entre 25 agosto e 29 de setembro. A BASF confirmou, quarta-feira, a contaminação, após denúncias de empresas da Suíça e da Bélgica, e garante que se deveu a um erro no fabrico em fase de resolução.

A empresa alemã deu conta de que informou todos os clientes afetados e deixou de vender os lotes com valores elevados de diclorobenzeno. O lupranat contaminado está a ser removido pela BASF, assim como a espuma, entretanto produzida com essa substância. Estima-se que o processo de devolução fique concluído até ao final da próxima semana.

Não se sabe se terá chegado lupranat contaminado com diclorobenzeno a Portugal. O JN sabe que algumas empresas nacionais, que produzem espuma com substâncias vendidas pela BASF, já se certificaram de que não receberam material contaminado e estão a sossegar os clientes.

Numa carta assinada pelo vice-presidente e pelo chefe de vendas para a Europa da BASF, a empresa alemã confirma que a contaminação ocorreu só nos lotes produzidos entre 25 de agosto e 29 de setembro. Dá conta, também, da perigosidade do diclorobenzeno, um componente carcinogénico (pode provocar cancro), que causa irritação ocular, na pele e no aparelho respiratório. É extremamente tóxico para organismos aquáticos, com efeitos duradouros.

Conteúdo Patrocinado