PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

Bloco propõe "programa de salvação da economia" perante "afundamento do país"

Bloco propõe "programa de salvação da economia" perante "afundamento do país"

O coordenador do BE defendeu, este sábado, a aplicação de um "programa de salvação da economia" que "cancele os juros extorsionários" do programa de assistência e que possa evitar "uma catástrofe orçamental" que está a "afundar o país".

"É preciso um programa de salvação da economia que crie investimento e só o pode fazer se cancelar os juros que não devemos. Uma economia que vai pagar 34 mil milhões de euros de juros, mais os juros do novo empréstimo que está a ser negociado à socapa, é uma economia que não pode sobreviver", afirmou Francisco Louçã.

O líder bloquista, que falava numa conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa, considerou que "os dados da execução orçamental são um pequeno sintoma do afundamento do país" e adiantou que, na interpelação ao Governo que tem marcada para a próxima quinta-feira, o BE vai "bater-se por uma resposta corajosa que se oponha à degradação da economia".

"Se Portugal tiver a grandeza de impor a renegociação desta dívida em vez de estar a favorecer o aumento da dívida, o aumento das dificuldades, à socapa como sempre faz, então é possível um programa de investimento para o emprego, para responder às pessoas, é por isso que o BE se bate por um programa de salvação da economia que assente no princípio essencial de cancelar os juros que não devemos", sustentou.

Louçã advertiu que, "se Portugal tiver de pagar em 2015 e 2016 cerca de 19 mil milhões de euros, então não é só o 13.º e 14.º mês que estão em risco, é toda a vida social, proteção da economia, sobrevivência das pessoas e o respeito que é posto em causa".

Para o líder do BE, o país está confrontado com uma escolha: "Ou juros ou emprego, ou juros ou pensões, ou juros ou SNS, ou juros ou a proteção do investimento que cria alternativas".

"Do que Portugal precisa é de cortar nos juros abusivos, que agora são 34 mil milhões de euros e que serão muito mais por cada cêntimo de empréstimo usurário que venha a ser agravado para a economia portuguesa. Um programa de salvação da economia é o cancelamento da dívida que não existe, é a proteção do país contra os juros extorsionários", insistiu.